Conectado por

Mato Grosso

Mendes garante sanção de lei e diz que cobrará retorno das aulas no MT


Compartilhe:

Publicado por

em

O governador Mauro Mendes (DEM) garantiu que vai sancionar o projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso que estabelece a Educação como serviço essencial. Assim, ele afirmou que irá cobrar retorno imediato às aulas presenciais.

O texto foi aprovado pelos deputados no dia 14 de abril e condiciona a volta às aulas presenciais em escolas estaduais à vacinação de todos os profissionais da Educação.

“A Assembleia votou uma lei dizendo que é essencial. Se é essencial, como vou vetar uma lei dizendo que não é essencial? Eu vou aprovar”, disse o governador em entrevista à Rádio Jovem Pan.

“Como eu vou dizer: ‘Educação não é essencial’, se nós estamos fazendo todos os investimentos, comprando notebook, reformando escola, comprando tecnologia, material do primeiro mundo para colocar na nossa rede”, disse.

A Assembleia tem que entender o seguinte: vai ser responsabilidade deles, porque nós vamos exigir que todos os professores voltem para sala de aula

O governador, no entanto, apontou que quem deve arcar com possíveis desgastes políticos do retorno às aulas em meio a pandemia serão os parlamentares.

“A Assembleia tem que entender o seguinte: vai ser responsabilidade deles, porque nós vamos exigir que todos os professores voltem para sala de aula”, afirmou.

“O deputado tem que aprender que lei tem consequência. […] Agora, dizer que a Educação é essencial na forma da lei, como eles fizeram, vou ter que sancionar e vai voltar todo mundo para sala de aula. E aí? Estão preparados para isso?”, questionou.

Vacina aos profissionais

Segundo Mendes, o Governo está tentando viabilizar 10% das doses das vacinas contra a Covid-19 do Estado aos profissionais da Educação – servidores públicos estaduais, municipais e de escolas particulares.

A proposta do Governo foi encaminhada no início da semana passada para aprovação na Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), bem como nos Ministério Público Estadual e Federal, e Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems).

“Essa decisão [de destinar 10% para profissionais de Educação] não depende exclusivamente do Governador. Pois é importante fazer essa vacinação para gente retomar as aulas”, disse.

Midianews.com.br