Conectado por

Justiça

Juiz determina que bisavó e avó de índia recém-nascida enterrada viva em MT usem tornozeleiras


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Justiça de Mato Grosso determinou que as indígenas Kutsamin Kamayura,de 57 anos, e, Tapoalu Kamayura, de 33 anos, sejam monitoradas por tornozeleiras eletrônicas.

A decisão, de quarta-feira (20), é do juiz Darwin de Souza Pontes, da 1ª Vara Criminal e Cível de Canarana, a 838 km de Cuiabá.

Elas são bisavó e avó, respectivamente, da índia recém-nascida, filha de uma indígena de 15 anos, que sobreviveu após ficar enterrada por seis horas no dia 5 de junho.

Índia recém-nascida que sobreviveu ao ser enterrada por 6 horas está  na Santa Casa de Cuiabá (Foto: Polícia Militar de MT)Índia recém-nascida que sobreviveu ao ser enterrada por 6 horas está  na Santa Casa de Cuiabá (Foto: Polícia Militar de MT)

Índia recém-nascida que sobreviveu ao ser enterrada por 6 horas está na Santa Casa de Cuiabá (Foto: Polícia Militar de MT)

Kutsamin alegou à polícia que enterrou a menina por acreditar que ela estivesse morta. Para a Polícia Civil, a bisavó e a avó premeditaram e planejaram enterrar a recém-nascida.

As investigações apontaram que elas não aceitavam a criança pelo fato dela ser filha de mãe solteira e o pai ser de outra etnia.

Ainda, as investigações não indicariam que o enterro da menina estivesse ligado aos costumes indígenas.

Índia recém-nascida é resgatada após ser enterrada viva por família em MT

Índia recém-nascida é resgatada após ser enterrada viva por família em MT

Ao determinar a prisão da avó e da bisavó, a Justiça havia ordenado que elas cumprissem e a medida na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Gaúcha do Norte, a 595 km de Cuiabá.

No entanto, o juiz foi informado pela polícia que o local estaria abandonado e que as indígenas foram levadas para uma aldeia em Gaúcha do Norte.

“A informação de que a sede da Funai está abandonada revela descaso com a Justiça, dado que nas decisões foi consignado que a medida fosse cumprida na sede administrativa do órgão, e, se não há a sede, a medida não pode ser cumprida da forma em que apresentada”, pontuou.

Dessa forma, a Justiça entendeu que as indígenas deveriam ser levadas para outra sede.

“Revogo a autorização para que Kutsamin fique em Gaúcha do Norte determino que ela seja transferida para a sede da administrativa da Funai em Canarana. Determino ainda que seja colocada tornozeleira eletrônica na ré, de modo a facilitar a fiscalização do cumprimento da prisão administrativa que restou inviabilizada”, completou o juiz.

Para o magistrado, ‘seria extremamente difícil o cumprimento da precatória em aldeia sem o acompanhamento da Funai’.

Bebê

Depois de resgatada pela polícia, a bebê foi socorrida em dois hospitais até ser transferida para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá. Ela continua internada na capital desde o dia 6 deste mês, e o estado de saúde ainda é delicado.

De acordo com o delegado da Polícia Civil Deuel Paixão Santana, que investiga o caso, em depoimento, as testemunhas afirmaram que, tanto a avó quanto a bisavó, não queriam o bebê para que a adolescente não se tornasse mãe solteira.

Ele informou ainda que a mãe da criança disse que pretendia ficar com a filha.

O Ministério Público Federal requisitou um estudo antropológico, que nortear a situação.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + nove =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento