Conectado por

Acre

Vídeo mostra presidiários que fazem greve de fome agonizando em corredor


Compartilhe:

Publicado por

em

Um vídeo que pode ter sido gravado por um presidiário mostrando presos que fazem greve de fome agonizando nas dependências de um pavilhão do sistemas prisional em Rio Branco vazou na internet. Após seis dias de greve de fome as imagens mostram pelo menos 10 presos passando mal.

As imagens com presos aparentemente com problemas estomacais teriam sido gravadas em um dos corredores da unidade prisional. O vídeo mostra que os presidiários estariam debilitados por se recusarem a aceitar a alimentação que é servida pelo sistema prisional do Estado do Acre.

A gravação dura pouco mais de um minuto e mostra cerca de dez detentos deitados no chão agonizando e reclamando de dores estomacais. A juíza da Vara de Execuções Penais, Luana Campos visitou ao presídio na sexta-feira (18), mas não houve um acordo para o fim a greve de fome.

Na noite da última sexta-feira, a administração solicitou a entrada de uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel Urgência (Samu) para realizar o atendimento aos detentos. Os paramédicos realizaram o trabalho de reidratação dos presidiários que não comem há seis dias. Assista ao vídeo:

Nota do IAPEN

O Instituto de Administração Penitenciária Penitenciária do Acre (IAPEN/AC) esclarece que a greve de fome já terminou nas unidades do interior, a exemplo de Tarauacá, Cruzeiro do Sul, Sena Madureira e Feijó. O manifesto também teve fim na unidade feminina da capital e em parte do Complexo Francisco D’Oliveira Conde. Os presos do Pavilhão F também recuaram da greve na tarde de sexta-feira, 17.

Já os detentos da Unidade Penitenciária de Segurança Máxima Antônio Amaro Alves permanecem na greve.

Vale ressaltar que o pano de fundo da greve de fome são as medidas administrativas adotadas na unidade Antônio Amaro, local para onde são destinados os presos de alta periculosidade, após a conclusão da reforma, que abriu novas vagas para cumprimento de pena no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) – onde há somente um detento por cela, e que proíbe, entre outras coisas, a visita íntima, conforme estabelece a portaria que rege as normas da unidade. Os presos são direcionados ao RDD somente mediante decisão judicial. A Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Acre tem acompanhado todo esse processo, tanto do envio dos detentos direcionados ao RDD quanto das manifestações em virtude disso.