Conectado por

Saúde

Refluxo gastroesofágico em bebês prematuros


Compartilhe:

Publicado por

em

O que é refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

O refluxo gastroesofágico é o retorno do conteúdo gástrico do estômago para o esôfago. Ocorre frequentemente em recém-nascidos e é especialmente comum nos bebês nascidos prematuramente. O refluxo gastroesofágico é considerado patológico quando causa sintomatologia significativa ou complicações, sendo designado então como Doença do Refluxo Gastroesofágico.

Quais são as causas do refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

O refluxo gastroesofágico é extremamente comum em lactentes saudáveis nos quais os fluidos gástricos refluem para o esôfago 30 ou mais vezes ao dia. Parece que o refluxo gastroesofágico é mais comum em prematuros saudáveis em comparação com bebês nascidos a termo. Isso acontece porque o esfíncter que separa o estômago do esôfago é mais imaturo.

A patogênese do refluxo gastroesofágico em prematuros parece ser multifatorial, mas em parte é devido a fatores anatômicos e fisiológicos imaturos ou comprometidos, que normalmente deveriam limitar o refluxo. O mecanismo mais importante do refluxo gastroesofágico em bebês prematuros (semelhante a crianças mais velhas e adultos) é o relaxamento transitório do esfíncter esofágico inferior, composto de músculo liso intrínseco do esôfago e músculo esquelético do diafragma crural.

Quais são as principais características clínicas do refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

Muitos bebês prematuros sofrem de refluxo gastroesofágico que causa problemas ao longo de todo o primeiro ano de vida e, às vezes, além. O refluxo infantil grave pode causar uma série de problemas, especialmente em bebês que nasceram prematuros e que tenham outros problemas de saúde ligados à prematuridade.

Os sintomas do refluxo gastroesofágico em bebês incluem:

(1) irritabilidade, especialmente após uma mamada;

(2) intolerância alimentar;

(3) baixo ganho de peso, porque podem recusar a amamentação ou mamar apenas pequenas quantidades se estiverem com dor;

(4) o refluxo gastroesofágico em prematuros pode piorar uma doença pulmonar crônica já existente ou pode causar problemas pulmonares crônicos, porque alguns alimentos regurgitados podem ser aspirados para os pulmões;

(5) em alguns bebês, o refluxo grave pode causar apneia ou bradicardia.

Como o médico diagnostica o refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

Na maioria das vezes, o refluxo gastroesofágico em bebês é diagnosticado pela observação dos sintomas por parte dos pais e enfermeiros. Testes mais extensivos geralmente não são necessários.

Como o médico trata o refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

Em bebês que não apresentam outros sintomas além da regurgitação, nenhuma intervenção além da orientação é normalmente necessária, porque a condição se normaliza por si mesma, com o crescimento do bebê. Embora existam várias opções de tratamentos diferentes do refluxo gastroesofágico em bebês, nenhuma é perfeita ou funcionará igualmente para todos.

Muitos bebês prematuros (mas não todos) superarão o refluxo no momento em que deixarem a UTI neonatal. À medida que os bebês crescem, seus estômagos tornam-se capazes de reter mais alimentos e o organismo é capaz de digerir alimentos de maneira rápida e eficiente. Além disso, o esfíncter que separa o estômago do esôfago sofre um progressivo amadurecimento.

Embora possa ser difícil para as famílias “esperar para ver”, essa é frequentemente a melhor ação. Algumas medidas comportamentais podem aliviar o refluxo gastroesofágico, como manter o bebê na posição vertical após ser alimentado e colocar os bebês deitados do lado esquerdo.

Alimentos que tornem o leite mais espesso podem ajudar o leite a permanecer no estômago mas, embora eles possam reduzir o vômito, não reduzem o refluxo. Os medicamentos em geral usados para tratar o refluxo não funcionam e têm efeitos colaterais prejudiciais.

Como prevenir o refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

Se não for possível prevenir integralmente o refluxo gastroesofágico em bebês, algumas providências, como citado anteriormente, podem diminuir sua frequência ou minorar suas consequências: manter o bebê em posição vertical durante algum tempo depois das mamadas e, ao colocar o bebê para dormir, colocá-lo sobre o lado esquerdo e acomodá-lo de modo que os ombros fiquem mais altos que as nádegas. Essas são medidas semelhantes àquelas usadas no tratamento do refluxo.

Quais são as complicações possíveis do refluxo gastroesofágico em bebês prematuros?

As consequências dos refluxos gastroesofágicos em bebês prematuros incluem vômitos frequentes, pneumonia por aspiração, irritabilidade, déficit de crescimento, exacerbação de sintomas respiratórios e doença pulmonar crônica.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *