Conectado por

Festas & Eventos

Os sabores que vêm do campo


Compartilhe:

Publicado por

em

 A consciência de que a gastronomia não se resume ao preparo e ao consumo de alimentos é algo comum entre os chefs de cozinha que participam do Santander Delícias do Brasil, que começou ontem e termina no domingo, no Jockey Club Brasileiro, na Gávea. A arte culinária, como reforçam os profissionais, começa no campo. É de onde vêm queijos, vinhos, mel, cachaça e insumos que alimentam suas criações. É por isso que os produtores rurais do estado do Rio têm presença garantida no evento gastronômico, com outras atrações como almoços e jantares temáticos, aulas demonstrativas e food trucks.

No espaço dedicado aos produtores rurais, haverá uma feira para degustação e comercialização de queijos, vinhos, mel, cachaças e cafés. Ao todo, serão 16 participantes. O stand do mercado Zona Sul traz marcas de café especiais. Um dos mais apreciados tem sido o Tassinari, do município de São José do Vale do Rio Preto. “Isso porque ele meio corpo, não tão forte nem tão fraco. Então ele acaba agradando a todos”, diz Chrisler Souza, consultor de café do mercado Zona Sul.

O apicultor Eugênio Basile, que estará no auditório Sesc/Senac de Gastronomia para aula em conjunto com a chef Viviane Gonçalves, também participa da feira de produtores. Ele é o proprietário da Mbee Mel Terroir, que trabalha exclusivamente com mel extraído de abelhas brasileiras.

Segundo Eugênio, o mel nativo, por falta de legislação específica para manejo, é pouco comercializado no país. “Ele é considerado o ouro líquido da gastronomia nacional e abrange uma gama variada de sabores, o que permite a harmonização com diferentes tipos de pratos. O consumo do mel nativo remonta aos indígenas. Mas, hoje, os brasileiros o desconhecem completamente”, conta Eugênio, que apresenta diferentes de tipos de mel, que variam no sabor e na coloração. “Temos desde o mel incolor ao mais escuro, tipo ocre”, diz Basile.

Com produção na cidade fluminense de Rio das Flores, a cachaçaria Werneck traz para o evento dois tipos de cachaças que foram premiadas em abril na Bélgica. São os modelos Ouro e Safira Régia. Para Eli Werneck, proprietário da marca, o segredo de sua produção está nos cuidados com os barris. “Eu mesmo trato e reformo os barris, que são feitos de carvalho francês”, diz.

Programação

– Sábado

No restaurante Vila dos Sabores, haverá jantar dedicado à culinária da Região Sudeste, às 20h30. Na ocasião, a chef Andrea Tinoco, do Rio, recebe os colegas Julio Lemos, do Espírito Santo, e Beth Beltrão, de Minas Gerais, para um cardápio elaborado em conjunto, a seis mãos.

– Domingo

Às 13h, a refeição temática será dedicada à Região Centro Oeste, com a participação dos chefs de cozinha Lui Veronese, do Distrito Federal, e Ian Baiocchi, de Goiás. A anfitriã será a chef Flávia Quaresma, no Rio.

– Aulas

Hoje, entre 12h30 e 22h10, estão previstas dez aulas no auditório Sesc/Senac de Gastronomia. Na programação, temas como cervejas e vinhos brasileiros e influências da cozinha francesa na culinária nacional. Ingressos em www.deliciasdobrasil.net.br.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *