Conectado por

Geral

O Pernambuco que pernambucanos desconhecem: O turismo no interior do estado – Por Ed Wanderley


Compartilhe:

Publicado por

em

Nem só de Porto de Galinhas se faz o turismo de Pernambuco. Ainda que seja esse o mais fácil e recorrente pecado na indústria turística local. E nem é necessário se deslocar por centenas de quilômetros além da capital para descobrir boas atrações com custos pouco elevados à espera até mesmo dos próprios pernambucanos.

Para a coordenadora do curso de graduação em Turismo da Universidade Católica de Pernambuco, Rosilei Montenegro, a necessidade de interiorização é latente, uma vez que levaria desenvolvimento econômico e social com arrecadação de impostos e qualificação dos espaços culturais fora da capital pernambucana. No entanto, esbarra na falta de qualidade dos serviços e na fraca divulgação. “A verdade é que as pessoas não estão habituadas e habilitadas para lidar com esses turistas e identificar suas necessidades. Mesmo nos pontos mais consolidados, a exemplo de Gravatá, Petrolina, Triunfo ou Garanhuns, há limitações. Levar esse público para outras áreas também auxiliaria na capacitação desse pessoal”, avalia.

Resultado de imagem para interior de pernambuco turismo
Turismo em Gravatá, cidade do interior do Estado de Pernambuco

Entre os exemplos que a professora cita está Nazaré da Mata, onde esteve com um grupo de trabalho. “Eles acabam restritos ao carnaval e não conseguem trabalhar o Maracatu Rural no resto do ano, mesmo com todo o potencial que essa manifestação guarda”, conta.

O coordenador do curso de Turismo da Universidade Federal de Pernambuco, André Falcão, acredita que parte do problema está no fato de que sequer a informação do que o interior oferece chega a turistas. “Quando chega, mesmo com boas ideias, elas não são articuladas o bastante”, fala, sobre o programa Pernambuco conhece Pernambuco, lançado em 2010 com nada menos que 11 rotas de promoção do turismo voltado aos próprios pernambucanos. “Era uma ideia fantástica, mas como estruturar, qualificar e promover 11 rotas simultaneamente? Falta articulação entre estado e municípios. Por isso, o turismo do interior não ‘pegou’”, acredita.

Entre os exemplos que poderiam ser importados nesse sentido, ele cita o Estrada Real, proposto desde 2001 pelo instituto de mesmo nome que qualifica a informação sobre atrativos ao longo de 1,4 mil km de estradas, atingindo 163 municípios de Minas Gerais, além de outros 16 no Rio de Janeiro e São Paulo, aos quais eles são ligados. “Tudo é restrito a apenas três caminhos. Fica mais fácil administrar e qualificar a estrutura turística”, recomenda.

Sobre o desafio da interiorização do turismo em Pernambuco, o secretário do Turismo, Lazer e Esportes, Felipe Carreras, afirma que ainda há municípios que precisam de completa estruturação, mesmo aqueles mais conhecidos, como Buíque, que atrai Ecoturistas. “Não adianta trazer pessoas e não ter como oferecer conforto. Por isso, fomos às 12 regiões do estado, mais Fernando de Noronha, ouvir as demandas e vamos lançar uma ação de turismo interno, voltado para o próprio pernambucano. Hoje tem gente daqui que conhece mais os parques de Orlando que o próprio estado. Para isso, vamos premiar as agências turísticas que venderem Pernambuco. A partir de 2016 já haverá outro cenário”, garante. A ação depende da conclusão de um processo licitatório, previsto para dezembro deste ano.

 

Ed WanderleyEd é repórter do Diario desde 2010. Atualmente faz a gestão do projeto CuriosaMente, na célula de dados do jornal. É viciado em viajar, mas ainda não descobriu os encantos dos sertões do Araripe e São Francisco. O resto de Pernambuco “tá dominado”.