Conectado por

Nacional

Filha que mora em São Paulo fala com o pai em Parauapebas após 28 anos

Publicado por

em

Por Lima Rodrigues, de Parauapebas – PA

Continua após a publicidade

Um novo final feliz. Além da bênção de Deus, o caso foi abençoada por Nossa Senhora, a Maria de Nazaré, porque a maioria das mulheres da família tem o nome Maria.
Uma filha residente em São Paulo reencontra o pai após 28 anos sem contato. Maria Helena da Silva morou com a família em Rondon do Pará até 1992, mas resolveu ir embora para São Paulo com o marido, o mecânico Manoel João da Silva, e as duas filhas, Malena Maria da Silva (criança) e Helenilda Maria da Silva (bebê). Em São Paulo, o casal teve mais duas filhas: Eliana Maria da Silva e Viviane Maria da Silva. Aí o casal foi morar na Bahia e nasceu Aline Maria da Silva. Depois, a família retornou para São Paulo e nasceu a sexta filha do casal: Mayara Maria da Silva, a caçula, que tem hoje 11 anos. Em 2010 o casal se separou. Em 2004 dona Maria Helena perdeu o contato com a família no Pará. (Mas já estava desde 1992 sem falar com o pai).
Para que esta história terminasse bem muita gente contribuiu, com destaque para o casal Cristiano e Fernanda Nery, de Parauapebas. O casal viu nas redes sociais o apelo da Helenilda, que e estava em busca dos avós. Ela já havia recebido informação de uma pessoa de Rondon do Pará (Deyse) que os avós moravam em Parauapebas, de acordo com o cadastro eleitoral de 2018. Aí, o Cristiano, namorado da Fernanda, conseguiu obter o endereço e o contato dos avós dela em Parauapebas. Foi tudo muito rápido, graças às redes sociais.
A Helenilda me procurou no final da tarde de sexta-feira (31) pedindo ajuda para localizar seus avós. Ela disse que pegou meu contato com o Vinicius Nogueira, do blog “Papo Carajás”. Mas, antes, ela havia publicada sua história em uma página de Parauapebas e o casal Cristiano e Fernando já estava investigando os dados divulgados por ela nas redes sociais. Quando tentei levantar as informações, por intermédio da policial civil Adriana Mesquita, de Fortaleza, a Helenilda me informou na manhã deste sábado (1º), emocionada, que haviam localizado os avós dela. A emoção foi geral.
Segundo a Helenilda, na noite de sexta-feira a mãe dela, Maria Helena da Silva, falou bastante por telefone com os pais e com as irmãs Maria Luzinete e Maria Antônia, que também moram em Parauapebas. A partir daí, mãe e filha que moram em São Paulo, falaram com outros parentes em Rondon do Pará e foi só alegria.
A solicitação
Para localizar o casal Afonso Profírio e Maria Francisca Helena, recebi o pedido da neta deles, a Helenilda, que contou sua história e eu publiquei nas minhas redes sociais:
Mais um caso para investigar

Em busca dos avós

A Helenilda Maria, que mora em São Paulo, está em busca de seus avós. Veja a mensagem que ela me enviou hoje:

Boa tarde. Senhor Lima, consegui seu contato através do Vinícius Nogueira, do site Papo Carajás, de Parauapebas.

Viemos para São Paulo por dificuldade financeiras e estamos aqui até hoje. Minha mãe, Maria Helena da Silva, está a procura dos pais dela que não vê há 28 anos. Liguei para a cidade de Rondon do Pará – que foi o último contato que tivemos – liguei para vários números de Prefeitura, cartórios, delegacias, enfim, mas ninguém pôde me ajudar. Teve uma moça chamada Dayse que me ajudou muito. Ela conseguiu puxar os nomes dos meus avós e viram que a última vez que eles votaram na eleição foi no ano de 2018 na cidade de Parauapebas, que acho que é próximo da cidade de Altamira. Ela disse que o título eleitoral deles estava regular, ou seja, creio que eles estão vivos né? A gente está desesperado atrás deles… Peço ajuda de todos que possam me ajudar, compartilhando esse post. O dele é Afonso Profírio Gonzaga e Maria Francisca Helena da Silva. Aproximadamente, eles têm uns 70 anos. Os nomes dos 11 filhos deles é José, Antônio, Antônia, Cícero, Francinete, Ana Lúcia (na época era a caçula), Lucimar, Luzinete, Aparecida e Damião. Desde já agradeço a colaboração de todos. Caso alguém consiga mais informações peço que entrem em contato comigo e creio que alguém vai nos ajudar. Obrigada. (E envio os números dos telefones de contato).

Para a minha felicidade, e a força das redes sociais, e a contribuição do casal Cristiano e Fernanda Nery, “Seu” Afonso e dona Maria Francisca Helena foram localizados. Na tarde deste sábado (1º), eu fui até a casa deles, no bairro Betânia, no Complexo Altamira, em Parauapebas, fiz uma entrevista com “Seu” Afonso e com a dona Maria Francisca e com as filhas Maria Luzinete e Maria Antônia. Todos falaram pouco e estavam bastante emocionados com tudo o que aconteceu de sexta para sábado. Parece que não estavam acreditando que a Maria Helena, graças à Maria de Nazaré, a Nossa Senhora, estava viva e bem de saúde.

A história

O pedreiro Afonso Profírio, que faz 74 anos dia 6 de agosto, nasceu em Juazeiro do Norte (CE), a 530 km de Fortaleza, mas foi criado em Exu (PE), onde se casou com a dona Maria Francisca Helena. O casal deixou Pernambuco em 1977 e foi morar em Imperatriz (MA). De lá, seguiu para Rondon do Pará, onde morou de 1984 a 1993. Em 1992 a filha Maria Helena foi para São Paulo com o marido e as duas filhas. Depois, ela teve mais quatro filhas. A última vez que ela falou com uma das irmãs foi 2004. (Mas não com os pais).
De Rondon do Pará o casal Afonso e Maria Francisca decidiu morar em Parauapebas (PA) com 5 filhos. Hoje, três filhos moram em Santana do Araguaia (PA) e três ficaram em Rondon. O casal teve 13 filhos. Apenas um morreu, ainda em Pernambuco, com 15 dias de vida.
Chorando, “Seu” Afonso disse ao repórter que não tinha mais esperança de reencontrar a filha Maria Helena. “Tinha perdido a esperança. Achava que ela já tinha morrido. É muita emoção. Estou muito feliz. Não consigo nem falar. É um sonho que foi realizado”, afirmou. A esposa, dona Maria Francisca, também estava bastante feliz. “A felicidade é muito grande. Só em ter falado com minha filha por telefone já foi muita emoção”, disse ela.
Por telefone, a filha Maria Helena, que trabalha como camareira em um hotel de São Paulo, disse que estava “muito feliz por ter reencontrado os pais” e prometeu que até novembro virá a Parauapebas para revê-los.
A neta do casal Afonso e Maria Francisca, Helenilda Maria da Silva, informou que todos “estavam bastante emocionados e felizes” e agradeceu a todas as pessoas que colaboraram direta ou indiretamente para que esta história tivesse um final feliz.
Obrigado meu Deus. Obrigado Nossa Senhora de Nazaré.

Foto 3: Lima Rodrigues, Afonso Profírio, dona Maria Francisca e as filhas Maria Luzinete e Maria Antônia, na casa do casal no bairro Betânia, em Parauapebas