Conectado por

Saúde

Estudos científicos explicam como desenvolver o potencial máximo do seu cérebro

Publicado por

em

Estudos realizados por especialistas neurológicos de todo o mundo apontam para o desenvolvimento de habilidades cognitivas e a manutenção do cérebro em idades avançadas, através do uso de jogos e exercícios, incluindo de jogos de tabuleiro, a videogames.

Jogos eletrônicos para melhorar a neuroplasticidade

Não é segredo que os jogos ajudam a desenvolver maior concentração e melhores habilidades de trabalho neuromotor entre seus participantes. Por isso, especialistas no campo da neurologia passaram grande parte de seu tempo para entender e explicar como funciona essa conexão fabulosa, além de investigar os benefícios que a neuroplasticidade pode desenvolver em humanos. Um dos aspectos mais populares na atualidade são os videogames, que provaram seus benefícios em humanos de todas as idades.

Um exemplo do exposto acima é publicado pela plataforma de artigos de pesquisa ResearchGate, na análise da plasticidade neuronal com o uso de jogos eletrônicos, desenvolvida por pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de São Paulo. Neste estudo, os cientistas receberam a tarefa de analisar várias pesquisas e publicações sobre o uso de jogos eletrônicos e o desenvolvimento de conexões neuronais no cérebro, um processo conhecido como neuroplasticidade. Esta investigação explica em detalhes como a atividade é aumentada em várias regiões do cérebro, como o córtex cingulado anterior, o lobo temporal e a rede frontal parietal, enquanto vários sujeitos de teste estão imersos em jogos eletrônicos em ambientes de estudo clínico controlado. A conclusão destes testes, é que várias regiões cerebrais são altamente beneficiadas após a prática regular de jogos eletrônicos, contribuindo para a reabilitação física e contrapondo-se ao envelhecimento precoce, e podem contribuir diretamente para o aumento da plasticidade neuronal.

Vale ressaltar que os jogos eletrônicos que comprovadamente contribuem para melhorar a plasticidade neuronal não são exclusivos dos ambientes laboratoriais, mas podem ser facilmente encontrados na vida cotidiana. Um dos exemplos mais notáveis disso é o poker, que, como mostra a plataforma esportiva ESPN, foi oficialmente reconhecido como um esporte da mente. Essa nomeação foi fornecida pela ‘International Mind Sports Association’ e o coloca ao lado de jogos milenares como o Xadrez, o Go ou o Bridge, porque sua prática constante contribui para o desenvolvimento de uma mentalidade mais analítica voltada para a estratégia. De fato, o poker cresceu em popularidade na última década e encontrou plataformas profissionais facilmente acessíveis em locais como a plataforma de cassino online da Betway, onde é possível encontrar diferentes modalidades deste jogo, bem como participar em competições ao vivo. Além disso, os benefícios dos jogos eletrônicos também têm um impacto positivo na saúde mental dos idosos, que se beneficiam do uso de plataformas eletrônicas para manter e até mesmo melhorar sua saúde mental. Como mostram os resultados de um estudo científico realizado nos Estados Unidos, e compartilhados pelo site G1, jogos de computador permitem que idosos exercitem o cérebro, sendo usados como um exercício mental que pode ser especialmente útil para pessoas em risco de perda de memória, demência e problemas visuais. O ponto estratégico é que videogames úteis neste contexto, como o Brain Age, da Nintendo, foram especialmente desenvolvidos por neurocientistas como o japonês Ryuta Kawashima, cujo objetivo é fazer com que os cérebros dos usuários trabalhem por meio de tarefas que incluem: memória, matemática, leitura e música.

Unsplash.com

Saúde, nutrição e estimulação cerebral

Problemas neurológicos como a doença de Parkinson, acidente vascular cerebral (AVC) e até depressão, podem ser tratados positivamente através do desenvolvimento da neuroplasticidade. De acordo com um estudo de cientistas brasileiros publicado na revista Neuroimage, o cérebro pode ser treinado para curar doenças, já que as interações entre os neurônios quando um indivíduo sofre de alguma doença como as mencionadas anteriormente, funcionam de maneira diferente das de uma pessoa saudável. Devido ao exposto, os cientistas explicam que através de jogos e exercícios, é possível induzir a neuroplasticidade no cérebro, para promover as mudanças necessárias para a recuperação de pacientes diagnosticados com AVC, Parkinson ou depressão.

Além de ser uma ferramenta de tratamento para pessoas que sofrem, a prática de exercícios que estimulam a cognição do cérebro, é fundamental para manter o cérebro saudável, além de ajudar a desenvolver habilidades cognitivas e socio-emocionais, como estratégia, relacionamento e autoconfiança. Entre os exercícios simples que qualquer pessoa pode praticar em casa para melhorar a plasticidade neuronal em seu cérebro, um é desenvolver o hábito de ler sobre temas variados, escrever com a mão não dominante, ou mudar a rota usual que é feita para chegar no trabalho por uma diferente, já que todos os itens acima permitem que o cérebro esteja mais alerta e atento às mudanças em sua rotina.

Finalmente, é importante considerar que a alimentação é uma parte muito importante no desenvolvimento de interconexões cerebrais, porque, como o cérebro consome 20% da energia de todo o corpo, ele também precisa de nutrientes e cuidados para atingir seu potencial máximo. Alguns alimentos que fazem parte da chamada dieta do cérebro são aqueles que incluem os ácidos graxos ômega 3 e 6, vitaminas solúveis em água, como A, C, E e aquelas do complexo B. Um fator muito positivo neste contexto é que todos esses nutrientes são muito fáceis de encontrar, pois aparecem naturalmente em sementes oleaginosas como castanhas, nozes e amêndoas, além de frutas e legumes como banana, morango, cenoura e grãos integrais.

Pexels.com

O desenvolvimento constante de conexões entre os neurônios no cérebro (neuroplasticidade) é a chave fundamental para que qualquer indivíduo desenvolva seu potencial cognitivo máximo, bem como para prevenir e efetivamente tratar problemas mentais degenerativos, como Alzheimer, Parkinson e depressão. Felizmente, o avanço dos estudos científicos permite aproximar facilmente a todas as pessoas das ferramentas necessárias para promover a neuroplasticidade no dia-a-dia e avançar para um futuro melhor.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *