Conectado por

Mato Grosso

Deputada Janaina Riva diz que compra de vacina deve ser prioridade do Estado

Publicado por

em

A deputada Janaina Riva (MDB) defendeu que o governador Mauro Mendes (DEM) compre uma vacina contra a Covid-19 para imunizar a população mato-grossense.

Continua após a publicidade

Para ela, caso seja necessário, o Governo deve paralisar todas as obras que estão em andamento no Estado para adquirir as vacinas.

“Eu já tinha dito isso para o [Eduardo] Botelho. Se precisar, nesse momento, todo mundo abrir mão de um pouco, como já foi feito no passado, cessar os investimentos, seja em infraestrutura, seja nas reformas que estão acontecendo”.

A compra da vacina tem que ser a prioridade zero um. Para isso não pode faltar dinheiro, para o restante depois a gente dá um jeito

“Essa [compra da vacina] tem que ser a prioridade zero um. Para isso não pode faltar dinheiro, para o restante depois a gente dá um jeito”.

O governador, por sua vez, defende que o Governo Federal lidere e disponibilize a vacina contra a Covid-19 à população.

No último dia 20, Mendes chegou a confirmar que Mato Grosso receberia lotes da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em janeiro de 2021.

A informação havia sido oficializada pelo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante reunião por videoconferência com os governadores.

Um dia depois, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desautorizou o ministro.

Volta às aulas

Janaina também afirmou ser contra o retorno das aulas no Estado até que haja uma vacinação contra a doença.

“Eu, como mãe, gostaria que meus filhos voltassem para a escola, até porque eles já estão tendo uma vida social novamente, mas você não pode obrigar todos os pais a fazerem o mesmo. E outra, a gente tem que entender que a escola pública não tem a mesma estrutura que a privada. O álcool gel, a máscara, o cuidado redobrado que a escola particular muitas vezes tem, pela falta de estrutura, o sistema público não tem”, disse.

“Então, como obrigar uma criança a voltar dentro da sala de aula se você não oferece uma vacina para ela e não consegue nem fornecer os meios necessários para ela não se contaminar? Não tem como”, acrescentou.

Midia News