Conectado por

Economia

Consultores confirmam queda na produção de soja na safra 18/19 em MT


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Uma equipe de consultores visitou fazendas de soja no norte do estado, na última semana, onde as lavouras demonstram queda na produtividade. Em muitas áreas a colheita está adiantada, em outras, a soja ainda está verde, mas a perspectiva dos produtores é de perda.

Apesar das diferenças de fases entre as lavouras com variedades de ciclo precoce e médio semeadas em propriedades de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, os agricultores estimam uma perda considerável, se comparado ao mesmo período do ano passado.

Segundo Luimar Gemi, a média de colheita tem sido 50 sacas por hectare, enquanto que no ao passado, ficou em torno de 60 sacas.

“Conforme vão chegando os novos talhões, tá melhorando a média, mas acreditamos que fecha com uma diferença de 10% a menos do que o ano passado, pelo que a gente tem observado”, afirmou.

Em nível nacional, a situação não deve ser diferente, segundo os consultores que participaram da 16ª expedição em fazendas das região norte de Mato Grosso, a produção nacional deve ser de 117,6 milhões de toneladas. Cerca de 2% a menos que a safra anterior.

O consultor Pablo Reveles afirmou que esta não será uma safra record, como se imaginava no início do plantio.

“No ano passado a gente chegou a 119, 120 milhões de toneladas. Este ano, não teremos o mesmo desempenho, mas se as condições climáticas permanecerem como estão, a produtividade não deve baixar mais do que foi previsto”, destacou.

De acordo com a consultoria, a queda dos números nesta safra está ligada à falta de chuvas durante o desenvolvimento dos grãos.

“A estiagem de cerca de 10 a 15 dias ocasionou prejuízos às lavouras com variedades precoces, porque elas são muito sensíveis a falta de água”, explicou o consultor.

Ainda segundo ele, a variedade precoce tem um bom ciclo, pois é rápida. No entanto, precisa de água durante o desenvolvimento.

“Se faltar água em um período específico de floração ou no período reprodutivo em geral, ela pode perder potencial grande”, afirmou.

Já os produtores somam a falta de chuva a outros fatores.

“Costumo dizer que tem uma soma de fatores que acabaram contribuindo pra essa queda de produtividade: em novembro tivemos um longo período nublado, com baixa luminosidade, depois tivemos um período bastante chuvoso e quando parou a chuva, foi de vez”, avaliou o agricultor Luimar.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − um =

Publicidade
CRÉDITO JÁ - EMPRÉSTIMOS
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento