Conectado por

Mato Grosso

Após nove presidentes, rodovia Cuiabá-Santarém segue sem asfalto concluído


Compartilhe:

Publicado por

em

Brasília – O governo de Michel Temer vai terminar sem a conclusão de uma das mais importantes obras de infraestrutura do País: o asfaltamento da BR-163, conhecida como Cuiabá-Santarém. Essa rodovia, que conecta o centro produtor de grãos aos portos da região Norte, ficou conhecida em todo o País em fevereiro de 2017, quando as chuvas provocaram atoleiros e filas de caminhões carregados de soja. A obra não será concluída até dezembro, segundo admitiu ao “Estado” o ministro dos Transportes, Valter Casimiro.

Rodovia ficou conhecida no País em fevereiro de 2017, quando chuvas provocaram atoleiros e filas de caminhões

Com isso, Temer será o nono presidente da República a deixar o Planalto sem concluí-la. A lista não conta o ex-presidente Emílio Garrastazu Médici, que inaugurou a rodovia em 1973, e Tancredo Neves (1985), que não chegou a assumir o cargo. Desde então, a falta de dinheiro, os problemas com contratos e as condições climáticas ruins já superaram a óbvia necessidade de conclusão da obra nos governos de Ernesto Geisel (1974-1979), João Figueiredo (1979-1985), José Sarney (1985-1990), Fernando Collor (1990-1992), Itamar Franco (1992-1995), Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), Lula (2003-2011) e Dilma Rousseff (2011-2016).

Segundo um cálculo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2013, a conclusão do asfaltamento da BR-163 permitiria uma economia de R$ 1,4 bilhão por ano em custos de transporte. O estudo aponta que a rodovia inverteria a rota de escoamento das exportações de grão dos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR) para os da região Norte. “Tudo o que foi asfaltado até agora já está sofrendo deterioração”, diz o secretário-executivo do Conselho de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso.

Além do intenso tráfego de caminhões pesados, o trecho da rodovia mais importante para o escoamento do agronegócio está em uma região de muita chuva. Ele defende que o governo faça um contrato de longo prazo para a manutenção da via.