Conectado por

Mato Grosso

Apesar de pandemia, Governo de MT melhora caixa e lança programa de R$ 9 bi


Compartilhe:

Publicado por

em

Ao longo de 2020, apesar da instabilidade causada pela pandemia do coronavírus, o Governo do Estado viu seu fluxo de caixa melhorar e a economia retornar aos trilhos após anos de pagamentos em atraso para fornecedores e servidores, falta de recursos para investimentos, atraso no repasse aos municípios e centenas de obras paradas.

A melhora foi tanta que, além de apresentar um projeto de Lei Orçamentária Anual para 2021 com investimentos com recursos próprios na ordem de R$ 2 bilhões pela primeira vez em uma década, o Executivo ainda lançou um programa de investimentos de R$ 9,5 bilhões no Estado.

Batizado de Mais MT e com projetos e obras para execução ao longo dos quatro anos da gestão Mauro Mendes (DEM), o programa promete aplicação de recursos em 12 eixos, sendo que 63% da verba são provenientes dos cofres estaduais e R$ 2,8 bilhões serão provenientes de operações de crédito (financiamentos).

Em entrevistas concedidas ao longo do ano, o governador creditou o bom desempenho da sua gestão a uma série de “duras medidas” tomadas por ele em seu primeiro ano de mandato, logo após assumir um Estado praticamente “quebrado”.

Entre as medidas polêmicas estavam a demissão de servidores comissionados, adoção de critérios para a concessão da Revisão Geral Anual (RGA) e uma minirreforma tributária.

Além disso, neste ano o Executivo conseguiu os gastos com folha salarial e deixou de estourar os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) pela primeira vez desde o final de 2015. O limite máximo da LRF é de 49% e o último percentual divulgado pelo Governo apontava um gasto de 47,14%.

Os bons resultados devem resultar, inclusive, em saldo positivo no início de 2021. Segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), o Estado deve começar o ano de 2021 com R$ 2 bilhões em caixa, um cenário muito diferente do que foi enfrentado pela Gestão Mauro Mendes nos dois primeiros anos de mandato.

Midia News