Conectado por

Economia

13º salário em 2021: Confira o calendário da segunda parcela via INSS


Compartilhe:

Publicado por

em

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) encerrou o pagamento da primeira parcela do 13º salário. O primeiro pagamento do salário extra equivale 50% do benefício concedido aos aposentados e pensionistas.

Com relação a segunda parcela do 13º, o valor concedido continua o mesmo para quem recebe até um salário mínimo, e pode ter desconto caso o segurado receba um benefício acima de um piso nacional. Cabe destacar que, há um calendário distinto para cada grupo.

Pagamento da 2ª parcela

Como já mencionado, a segunda parcela do benefício pode sofrer alguns descontos provenientes do Imposto de Renda. Especificamente, os segurados com idade máxima de 64 anos e que possuem renda superior a R$ 1.903,98 são sujeitados a este desfalque.

Já os segurados com idade superior a 65 anos só terão desconto de Imposto de Renda caso receba um benefício com valor superior a R$ 3.807,96. Sendo assim, o valor do 13º pode chegar ao beneficiário incompleto.

Além disso, os beneficiários devem saber que o valor disponibilizado no 13º é pago proporcionalmente a quantidade de meses que receberam o benefício no ano vigente. Desta forma, recebem o benefício inferior:

  • O cidadão que começou a receber o benefício do INSS a partir de fevereiro;
  • O segurado que terá o benefício encerrado até 31 de dezembro.

Calendário do 13º salário do INSS

Benefícios de um salário mínimo

Dígito final 2ª parcela – Junho
1 24 de junho
2 25 de junho
3 28 de junho
4 29 de junho
5 30 de junho
6 01 de julho
7 02 de julho
8 05 de julho
9 06 de julho
0 07 de julho

Benefícios acima de um salário mínimo

Dígito final 2ª parcela – Junho
1 e 6 01 de julho
2 e 7 02 de julho
3 e 8 04 de julho
4 e 9 06 de julho
5 e 0 07 de julho

Nova projeção do salário mínimo

O Ministério da Economia divulgou na última semana o Boletim Macrofiscal, documento que contém as novas projeções financeiras do país dos próximos meses. De acordo com a pasta, o índice da inflação deve subir, alterando o salário mínimo previsto para 2022.

Segundo a legislação, o piso salarial deve ser reajustado ao menos conforme o índice de inflação para que os trabalhadores mantenham o seu poder de compra frente aos acréscimos nos preços de produtos no mercado.

As informações do Boletim expressam que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), utilizado para medir a inflação, ultrapassou a previsão de 4,4% para 5,05% este ano. Consequentemente, o salário mínimo previsto pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) passa de R$ 1.147 para R$ 1.155,55.

Cerca de 65% dos beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recebem valores baseados no salário mínimo vigente. Desta forma, o reajuste no piso nacional deve alterar os valores pagos pelo órgão.

Nesse sentido, todos os benefícios que pagam um salário mínimo mensalmente, incluindo o BPC (Benefício de Prestação Continuada) serão reajustados para o valor de R$ 1.155,55 no próximo ano.

Outra mudança que o novo salário mínimo deve trazer ao INSS se refere ao teto máximo de benefícios, que é o limite que o instituto pode pagar aos segurados que passará de R$ 6.351,20 para R$ 6.624,30.

Noticiasconcursos.com.br