Conectado por

Agronegócios

Tempo de recuperação no pós-parto é crucial para o controle da hipocalcemia em vacas de leite


Compartilhe:

Publicado por

em

Especialista da Trouw Nutrition alerta para suplementação imediata após a parição como medida fundamental para rápida recuperação das vacas.

Comum em vacas recém-paridas, a hipocalcemia é causada pela baixa disponibilidade de cálcio. Alessander Górski, gerente de negócios Produtos Globais da Trouw Nutrition, explica que isso ocorre apesar da grande quantidade de cálcio no organismo do animal presente nos ossos e dentes, por exemplo. “Entre os principais fatores que levam a essa condição, destacam-se a diminuição da absorção intestinal de cálcio ao parto e a alta demanda por cálcio para produção de colostro.

Estima-se que para uma vaca de 600 quilos tenha, em média, 8,5 kg de cálcio. “A dificuldade consiste na mobilização desse mineral, pois apenas 1% está prontamente disponível para a utilização do animal. Algumas semanas antes do parto, o metabolismo da vaca passa por drásticas mudanças. São alterações hormonais que preparam o seu corpo para o parto e início da lactação. Além de destinar grande parte do cálcio disponível para o colostro e contrações musculares, o consumo de matéria seca também cai antes e depois do parto”, informa Alessander.

Após o parto, a vaca não come ou bebe por aproximadamente 8 horas e perde cerca de 50 litros de fluidos corporais, causando desidratação e desequilíbrio eletrolítico. “O quadro de hipocalcemia é comum em rebanhos leiteiros em sua forma subclínica — as manifestações clínicas representam cerca de 3% dos casos. O que determina sua severidade é o preparo da vaca para o pós-parto, um dos momentos mais críticos de sua vida. O produtor de leite precisa cuidar do aumento da ingestão de matéria-seca, para fortalecer o sistema imunológico e reduzir o balanço energético negativo da fêmea”, reforça o especialista da Trouw Nutrition.

Paralelamente, a hipocalcemia abre caminho para complicações secundárias, como a temível mastite, falta de apetite e danos ao sistema reprodutivo. “É uma verdadeira corrida contra o tempo. Os sinais clínicos mais comuns são tremores musculares, falta de coordenação motora e até perda de consciência em casos mais graves”, alerta o gerente.

Para a rápida recuperação, hidratação e reposição de eletrólitos das vacas no pré-parto, recomenda-se suplementação mineral antes mesmo do parto e intensificação após o nascimento da cria. O correto fornecimento de nutrientes nessa fase beneficia não só a vitalidade e resistência física do animal, mas também a produção de leite e o aumento do apetite.

“A linha TN Leite, da Trouw Nutrition, é reconhecida pela inovação em produtos destinados à pecuária leiteira. Reconhecida na Europa, a bebida energética Reviva é de fácil manejo devido à alta palatibilidade. A solução fornece fonte extra de cálcio, repõe rapidamente a energia por meio da absorção de glicose e proporciona reforço vitamínico para prevenção de doenças. Os ganhos futuros também ocorrem na forma de maior produção de leite e melhores níveis de fertilidade”, completa Alessander Górski.

Assessoria