Conectado por

Agronegócios

Revolução digital moderniza o processo de vacinação de aves

Publicado por

em

Especialista da Phibro Saúde Animal explica o conceito 4.0, que está em todos os debates sobre a produção animal no Brasil.  

Continua após a publicidade

Sensores, ferramentas computacionais avançadas e técnicas estatísticas modernas para coleta massiva de dados e em tempo real, além do uso de inteligência artificial para interpretar e gerar resultados a partir de padrões não captados pelo cérebro humano. Este é o futuro da produção animal brasileira. E o futuro já chegou. A Produção Animal 4.0 já é uma realidade no país e tem sido uma importante aliada para a lucratividade dos produtores, bem como para a garantia do bem-estar animal, aumento da produtividade e confiabilidade dos dados.

“A expressão Pecuária 4.0 uma analogia à Indústria 4.0, que, por sua vez, faz referência à 4ª Revolução Industrial. Esta revolução digital iniciou-se na virada do século XXI e tem auxiliado no resultado produtivo da produção animal, mesmo sem ser amplamente conhecida ou entendida pelo público”, afirma Eric o zootecnista Culhari, mestre em bioclimatologia e bem-estar animal e especialista pHi-Tech da Phibro Saúde Animal.

A Phibro explora o conceito de internet das coisas (ou IoT, na sigla da versão em inglês Internet of Things) para produzir tecnologias disruptivas que se enquadrem na constante e ágil evolução digital da produção animal. Um exemplo é o pHi-Tech, inovador sistema de gerenciamento de vacinação de aves de ciclo longo. A ferramenta conta com três componentes: equipamento de injeção, aplicativo para celular e modo analítico para web.

“O sistema, totalmente ligado ao objetivo da avicultura de precisão, permite que tenhamos uma visão ampla de todo o processo de vacinação das aves, bem como uma aplicação precisa, promovendo correções em tempo real e gerenciando os dados de todo o processo, com visibilidade de todas as informações da granja”, explica Culhari. “Isso ajuda a ser mais eficaz na prevenção de doenças com alto potencial para impactar a produção de carne e de ovos, tão importante para o país.”

Evolução e revolução da produção animal

Ainda que a expressão “Pecuária 4.0” esteja ligada à mais recente evolução da indústria, o zootecnista da Phibro explica que o desenvolvimento da produção animal é muito anterior à 1ª Revolução, iniciada na Inglaterra na década de 1760, com o surgimento das máquinas a vapor. A “1ª Revolução da Produção Animal” ocorreu há mais de 500.000 anos, quando arqueólogos acreditam que o homem passou a domesticar os primeiros animais, dando início à atividade pecuária.

“A domesticação possibilitou que a energia da caça fosse redirecionada para outros fins. A partir disso, a 2ª Revolução – iniciada após a Segunda Guerra Mundial – estabeleceu o método científico para o incremento da produção. Com isso, houve alterações na sociedade e o êxodo rural aumentou a população urbana, alterando a dinâmica alimentícia e de criação de animais. Afinal, se antes as pessoas produziam para subsistência, agora grande parcela necessita adquirir proteínas para de alimentar”, diz Culhari.

Todos esses desafios culminaram, na segunda metade do século passado, na 3ª Revolução Industrial, quando computadores e outros eletrônicos chegaram para substituir meios analógicos para gerar, armazenar e analisar dados. Na produção animal, especialmente de aves, não foi muito diferente. A informática passou a ser determinante para a alta performance de propriedades modernas, que buscam a produção de alimentos com sustentabilidade para um mundo em constante expansão.

“Com o avanço da eletrônica e da capacidade computacional, dados antes registrados e armazenados fisicamente, em folhas de papel, passaram para planilhas eletrônicas, facilitando a análise e a visualização dos resultados obtidos. Além disso, equipamentos, como alimentadores automáticos, passaram a ser vistos em granjas de suínos e aves, ordenha mecanizada em sistemas de produção leiteira, entre outros equipamentos”, detalha o mestre pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A produção avícola passou por intensa transformação nos últimos anos, o que resulta na modernização dos galpões, por meio da adoção de modernas tecnologias de manejo ambiental e biosseguridade, entre outras. “No entanto, o processo de vacinação injetável sofreu pouca interferência desse processo de modernização. Estamos trabalhando para mudar essa realidade, por meio do sistema pHi-Tech. Com ele, a revolução digital chega às granjas com maior eficácia”, ressalta Eric Culhari.

Texto Assessoria