Conectado por

ALE/RO

Projeto de Lei do deputado Eyder Brasil institui o dia da Polícia Militar Feminina


Compartilhe:

Publicado por

em

No mês de maio do ano passado, o deputado estadual Eyder Brasil (PSL) apresentou o Projeto de Lei 104/19, que estabelece o dia 10 de fevereiro como o “Dia da Policial Militar Feminina”. O projeto foi aprovado e transformado em Lei durante sessão ordinária. A data escolhida, faz alusão ao 10 de fevereiro de 1983, data que ingressaram as primeiras mulheres na PMRO.

Neste dia, também deve ser tratado debates sobre o combate ao preconceito, assédio e violência dentro da Instituição diz Eyder Brasil

O parlamentar parabenizou a luta das destemidas mulheres. “Neste dia, quero parabenizar todas as policiais do nosso Estado. O dia que ficou marcado e será lembrado por todas”, disse.

HISTÓRICO

O Dia da Policial Feminina é celebrado nos estados do Mato Grosso, Maranhão, São Paulo, sendo instituído através de Lei Estadual, destacando a importância e resiliência das mulheres dentro da Instituição. Atualmente, as mulheres conquistaram os altos postos de comando e estão em todas as frentes do trabalho operacional.

Em Rondônia, a primeira menção à Policial Militar Feminina é registrada no Boletim Interno Nº 051, no dia 17 de março de 1983, onde Angelina dos Santos Correia e Maria Lucia Cardoso de Lima foram matriculadas no curso de formação de oficiais, ministrado na academia de Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Lamentavelmente, consta nos históricos, que Maria Lucia contraiu malária e foi a óbito. A aluna oficial Angelina, atingiu o mais alto posto de comando, sendo a Comandante Geral da Polícia Militar. Diante da situação apresentada, ocorreu a ideia da institucionalização de uma data comemorativa para a Policial Militar Feminina, com o intuito de não se perder um fato significativo na história da PM de Rondônia e na sua bela trajetória dentro da Corporação.

Assim, a data foi indicada para 10 de fevereiro. Neste dia, também deve ser tratado debates sobre o combate ao preconceito, assédio e violência dentro da Instituição.

Fotos e Texto: Assessoria