Conectado por

Agronegócios

Proibição das queimadas é uma injustiça com os agricultores mais pobres, diz Ricardo Felicio

Publicado por

em

“Há uma evidente guerra comercial sendo desencadeada contra o Brasil, com a questão ambiental servindo como instrumento geopolítico de países concorrentes para desqualificar nossa produção”, alerta o professor Ricardo Felício, dr. em meteorologia, que não foge do embate com ativistas ambientais nessa “batalha desleal e covarde contra nossos agricultores, principalmente os mais pobres”, alerta ele.

Continua após a publicidade

O prof. Felicio usa como exemplo a recente decisão do Governo que, pressionado pela mídia européia, decretou a moratória das queimadas. Segundo ele, a medida vai afetar os pequenos lavradores dos mais longinquos rincões do País.

— “O pequeno lavrador não tem recursos da tecnologia e só consegue limpar as pastagens usando o fogo controlado, prática milenar usada desde tempos imemoriais, e que não tem a ver com a floresta amazonica.

— “Denunciam queimadas na Amazonia, mas os fatos mostram que isso não passa de uma grossa mentira. Veja as imagens dos satelites… as queimadas estão na África; aqui são focos de calor nas áreas de lavouras de posseiros e pequenos agricultores, que, nesta época do ano, usam dessa prática para garantir a subsistencia. Quem nos acusa dessa covardia, na verdade só atinge os mais pobres, os mais necessitados”.

O professor Ricardo Felicio se insurge com quem tenta desqualificá-lo nesse debate ambiental, taxando-o de “negacionista”.

— “Tenho convicções e não ajo por conveniência, como fazem alguns ativistas travestidos de cientistas, que usam de seu cargo e do dinheiro público, que os sustenta, para atentar contra o nosso País. É conra isso e contra eles que me oponho”.

(assista a entrevista acima).

Confira abaixo uma mensagem compartilhada por Evaristo de Miranda, da Embrapa territorial, que foi compartilhada nas redes sociais:

“AFRICA EM CHAMAS

Hoje, ao analisar a dinâmica das queimadas na Amazônia, recuperei esta imagem dos fogos ativos na vegetação do mundo  nas últimas 24 h, gerada pelo Fire Information for Resource Management System (FIRMS)  do Earth Science Data and Information System (ESDIS) da NASA.

Veja a concentração do fogo na segunda maior floresta tropical do mundo, a da bacia do Congo na África e na ilha de Madagascar. Comparem com a concentração na Argentina  e no bioma Amazônia.

Vendo este mapa de focos de fogo no mundo, publicado hoje (18/7/2020) pela NASA, você diria que a preocupação internacional é só com a preservação das florestas, sem intenção de criar barreiras à agropecuária brasileira?”

Evaristo de Miranda, doutor em ecologia, pesquisador da Embrapa Territorial

focos de chamas, evaristo de miranda, satélite, meio ambiente

Fonte: Notícias Agrícolas