Conectado por

Nacional

“Não sou juiz”, diz Drauzio sobre crime praticado por trans Suzy


Compartilhe:

Publicado por

em

O médico Drauzio Varella emitiu, na noite deste domingo (08/03), uma nota de esclarecimento após os supostos motivos da condenação de Suzy de Oliveira, uma das detentas trans entrevistadas por ele no Fantástico, terem sido revelados.

Na nota, Varella relembra que, há mais de 30 anos, frequenta presídios, tratando igualmente detentos e detentas. “Em todos os lugares em que pratico a medicina, seja no meu consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado”, escreveu.

Segundo a nota, essa conduta é seguida para garantir que o julgamento pessoal de Drauzio não o impeça de cumprir o juramento que ele fez ao tornar-se médico. “No meu trabalho na televisão, sigo os meus princípios”, frisou.

“No caso da reportagem veiculada pelo Fantástico na semana passada (01/03), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz”, finaliza.

Leia a nota na íntegra:

Há mais de 30 anos, frequento presídios, onde trato da saúde de detentos e detentas. Em todos os lugares em que pratico a medicina, seja no meu consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado. Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico. No meu trabalho na televisão, sigo os meus princípios. No caso da reportagem veiculada pelo Fantástico na semana passada (01/03), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz.

Mariana Varella@marivarella

Ver imagem no Twitter

8.456

Informações e privacidade no Twitter Ads
1.563 pessoas estão falando sobre isso

Crime
A transexual Suzy de Oliveira, uma das personagens da matéria do doutor Drauzio Varella no Fantástico do domingo passado (01/03), foi condenada por estuprar e estrangular um garoto de 9 anos. Ela teria deixado o corpo da criança apodrecer em sua sala por 48 horas. As informações são do site O Antagonista.

Juízes criminais levantaram a ficha de Suzy de Oliveira, que tem como nome de batismo Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos. A transsexual está presa desde 2010. Atualmente, ela cumpre pena na penitenciária localizada na cidade de Guarulhos, em São Paulo.

Segundo o processo, Suzy praticou “atos libidinosos consistentes em sexo oral e sexo anal com o menor Fábio dos Santos Lemos, que à época contava com apenas 9 anos de idade”.

Em sua sentença de maior condenação, a criminosa “matou e o ofendeu mediante meio cruel, consistente em asfixia, se valendo de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, haja vista tratar-se de criança, com mínima capacidade de resistência”.

Renegada
Na reportagem do Fantástico, Suzy afirmou que não recebia visita na cadeia havia oito anos. A solidão, segundo relato da detenta, ocorria por conta de sua transição de gênero e sexualidade. Comovido com o depoimento, Drauzio Varella a abraçou. O motivo de a família não visitá-la, contudo, teria ligação com a crueldade do crime cometido, informa O Antagonista.

“Entrou na casa para roubar, subiu as escadas e a criança estava no quarto deitada, não sei bem como ele entrou, fechou a boca da criança. Ele contou tudo, normal como eu estou te contando”, disse a tia para o juiz do caso.

Veja a íntegra do processo contra Suzy:

Suzy by Metropoles on Scribd

FONTE: METROPOLES