Conectado por

Mato Grosso

Mãe de bebê de 2 meses que morreu após suposto maus-tratos é agredida por colegas de cela em MT


Compartilhe:

Publicado por

em

A mãe da bebê de 2 meses, que morreu após suposto maus-tratos em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, foi agredida na noite dessa terça-feira (2) por colegas de cela na cadeia feminina de Rondonópolis.

Bianca de Sousa Almeida foi presa com o marido na semana passada por suspeita de maus-tratos. A bebê morreu na madrugada de sexta-feira (29) ao ser internada no Pronto Atendimento (PA) Infantil de Rondonópolis.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Segurança Pública (Sesp), Bianca foi retirada da cela imediatamente e recebeu atendimento médico.

Ela será transferida para outra unidade feminina. Até que seja feita a transferência, ela está em uma cela de isolamento, conforme informou a Sesp. Bianca também passou por exame de corpo de delito após as agressões.

O caso

A médica que atendeu a criança na unidade chamou a Polícia Militar depois que suspeitou de uma situação de maus-tratos. A família mora no Bairro Santa Marta.

A profissional relatou aos policiais que a bebê deu entrada no hospital às 4h30. A menina tinha sinais vitais fracos e morreu às 5h10. A médica percebeu que a criança tinha um hematoma na cabeça.

A mãe da criança, de 31 anos, disse à polícia que tinha saído durante a noite para comprar bebidas e deixado a filha com o companheiro dela, de 27 anos.

De acordo com a Polícia Civil, o casal foi autuado em flagrante no crime de abandono de incapaz qualificado, com pena de 4 a 12 anos. Os dois ainda podem responder por homicídio ou tortura qualificada com resultado morte.

A polícia aguarda exame de necropsia.

Na delegacia o pai contou que a criança caiu da cama e bateu a cabeça. Tanto ele quanto a mãe são usuários de drogas.

Em janeiro deste ano, quando a menina nasceu, o hospital maternidade de Rondonópolis encaminhou ofício ao Conselho Tutelar, informando que a mãe usuária de drogas havia dado à luz a criança e necessitava de acompanhamento para recuperação da dependência química.

A mulher foi encaminhada para tratamento e o Conselho Tutelar perdeu contato, até que tomou conhecimento da morte nesta sexta-feira.