Conectado por

Saúde

Doenças que tinham baixa circulação no Brasil estão ressurgindo e alertam para a queda nas coberturas vacinais1,3,11,13


Compartilhe:

Publicado por

em

Doenças eliminadas ou com baixa circulação no Brasil, como o sarampo, a difteria e a poliomielite, voltam a ser motivo de preocupação.1,3,11,13 De acordo com o Ministério da Saúde, as baixas coberturas vacinais, principalmente em crianças menores de cinco anos de idade, acenderam um “alerta” no país.1,3,11 Diversas vacinas estão disponíveis gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas a cobertura está abaixo do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).1,2

Em 2016, o país recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) um certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo no Brasil.Porém, desde fevereiro deste ano, devido à baixa cobertura vacinal, há diversos casos da doença sendo registrados no Amazonas e em Roraima.3 Até o dia 27 de julho, foram confirmados 444 casos de sarampo no Amazonas e mais de 2.500 estão em investigação.3 Em Roraima, 216 casos foram confirmados e 160 ainda em investigação.Além disso, alguns casos foram confirmados também em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Rondônia.3

Outra doença já eliminada do país, mas com risco de ressurgimento é a poliomielite, conhecida como paralisia infantil. A cobertura vacinal para prevenção da doença já está abaixo de 50% em 312 municípios brasileiros.1

A Doença Pneumocócica, causada pelo Streptococcus pneumoniae (pneumococo), é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em todo o mundoe também está com a cobertura vacinal abaixo do recomendado no país.5,6,12Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), atualizado em fevereiro de 2018, apontam que a cobertura vacinal do esquema primário para a prevenção da Doença Pneumocócica chegou a 85% em 2017 e da dose de reforço a apenas 74% ,5,6 apesar da vacina ser gratuita nos postos de saúde para crianças menores de cinco anos.7,9 Comparando com 2016, houve uma queda de 10 pontos percentuais no país, quando a cobertura era de 95% para a primeira dose e 84,10% para a de reforço.5,6

Doença Pneumocócica

O pneumococo causa doenças que atingem o sistema respiratório, a corrente sanguínea, e o cérebro, e são classificadas em dois tipos: Doença Pneumocócica Invasiva (DPI) – meningite, pneumonia bacterêmica e sepse, – e Doenças Não Invasivas, consideradas mais leves, que incluem otite média e a pneumonia não bacterêmica.4

As Doenças Pneumocócicas Invasivas podem deixar sequelas graves ou até levar o paciente a óbito.4,8 A bacteremia (quando a doença atinge o sangue) e a meningite são as formas mais graves da doença. Cerca de 1 em 100 crianças com bacteremia, vão a óbito. Já com a meningite, este número é ainda mais impactante, sendo 1 óbito para cada 15 casos de infecção.8

Transmissão

Qualquer pessoa pode ser afetada pela doença pneumocócica, mas crianças com até dois anos de idade, idosos, lactentes e pessoas com doenças crônicas e baixa imunidade são as mais vulneráveis.4 A bactéria (pneumococo) pode ser transmitida através da tosse, espirro ou por objetos contaminados de pessoas que contraíram a doença ou que estão com a bactéria, mas não apresentam sintomas. É comum que pessoas, principalmente crianças, sejam portadores e transmitam a doença, mesmo sem adoecer.4

Prevenção

A forma mais eficiente de prevenir as doenças pneumocócicas em crianças é com a vacinação.4 O Calendário de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda a administração de duas doses da Vacina Pneumocócia 10-valente (conjugada) idealmente aos 2 meses e aos 4 meses de idade e uma dose de reforço aos 12 meses.7 Já a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomendam a vacinação contra a doença pneumocócica em um esquema de três doses – 1ª aos 2 meses, 2ª aos 4 meses e a 3ª aos 6 meses de idade – e uma dose de reforço entre os 12 e 15 meses de idade.9,10

A vacina Pneumocócia 10-valente (conjugada) está disponível gratuitamente nos postos de saúde para crianças menores de cinco anos.7,9

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes no mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br.

*Material dirigido ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico.

Referências:

  1. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Alerta: 312 cidades têm baixa cobertura vacinal da pólio. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43797-ministerio-da-saude-alerta-para-baixas-coberturas-vacinais-para-polio>. Acesso em 16 jul. 2018.
  2. FIOCRUZ. Suspeita de poliomielite na Venezuela alerta para vacinação. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/suspeita-de-poliomielite-na-venezuela-alerta-para-vacinacao>. Acesso em 16 jul. 2018.
  3. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ministério da Saúde atualiza casos de sarampo no Brasil. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43868-ministerio-da-saude-atualiza-casos-de-sarampo-no-brasil >. Acesso em 19 jul. 2018.
  4. FIOCRUZ. Doenças pneumocócicas: informações técnicas. Disponível em:< https://agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7as-pneumoc%C3%B3cicas-informa%C3%A7%C3%B5es-t%C3%A9cnicas>. Acesso em 16 jul. 2018.
  5. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “REGIÃO/UNIDADE DA FEDERAÇÃO” para Linha, “ANO” para Coluna, “COBERTURAS VACINAIS” para Conteúdo, “2010 a 2017” para Períodos Disponíveis, “PNEUMOCÓCICA” para Etiologia e “TODAS AS CATEGORIAS” para os demais itens. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?pni/cnv/cpniuf.def. Acesso em 16 jul. 2018.
  6. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “REGIÃO/UNIDADE DA FEDERAÇÃO” para Linha, “ANO” para Coluna, “COBERTURAS VACINAIS” para Conteúdo, “2010 a 2017” para Períodos Disponíveis, “PNEUMOCÓCICA (1º REF)” para Etiologia e “TODAS AS CATEGORIAS” para os demais itens. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?pni/cnv/cpniuf.def. Acesso em 16 jul. 2018.
  7. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Calendário Nacional de Vacinação 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/jpg/2018/janeiro/10/calendario-vacinal-2018.jpg. Acesso em 16 jul. 2018.
  8. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Pneumococcal disease. Symptoms&Complications. Disponível em: <https://www.cdc.gov/pneumococcal/about/symptoms-complications.html>. Acesso em 16 jul. 2018.
  9. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário de vacinação da criança: recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2018/2019 [atualizado até 27/03/2018]. Disponível em: <https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-crianca.pdf>. Acesso em: 16 jul. 2018.
  10. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Calendário de vacinação da SBP 2017. Disponível em: < http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/19717k-DocCient-Calendario_Vacinacao_2017-maio.pdf >. Acesso em: 16 jul. 2018.
  11. Pesquisa realizada na base de dados DATASUS, utilizando os limites “REGIÃO/UNIDADE DA FEDERAÇÃO” para Linha, “ANO” para Coluna, “COBERTURAS VACINAIS” para Conteúdo, “2001 a 2018” para Períodos Disponíveis e “TODAS AS CATEGORIAS” para os demais itens. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?pni/cnv/cpniuf.def>. Acesso em: 23 jul. 2018.
  12. MORAES, JC. et al. Qual é a cobertura vacinal real? Epidemiologia e Serviços de Saúde, 12(3): 147-53, 2003.
  13. ISTO É. Opas alerta para surto de difteria na Venezuela e casos no Brasil e na Colômbia. 2018. (0818) Disponível em: <https://istoe.com.br/opas-alerta-para-surto-de-difteria-na-venezuela-e-casos-no-brasil-e-na-colombia/>. Acesso em: 16 de ago. 2018
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *