Conectado por

Mato Grosso

Criado há um ano, “CSI de MT” desvenda crimes complexos


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Quando o avião da Gol caiu na região de mata fechada em Peixoto de Azevedo (691 km ao Norte) em 29 de setembro de 2006, a Politec de Mato Grosso se viu em um dos seus maiores desafios: auxiliar nas perícias em uma situação de grande desastre que levou 154 passageiros e tripulantes à morte. Em apoio à Polícia Civil do Distrito Federal, foram acionadas várias forças de segurança pública, entre elas a Polícia Federal e a Politec. Ali nasceu a ideia da criação de uma equipe treinada e equipada para esse tipo de situação.

Desde então, essa ideia foi sendo alimentada e amadurecida, gestão a gestão e, na oportunidade em que Reginaldo do Carmo, um dos peritos que atuou naquele desastre se tornou diretor-geral da Politec, resolveu chamar o colega Luis Paoli para transformar a ideia em realidade, concebendo esse grupo com o desafio de atuar em perícias em situação de desastre ou crimes que exige uma equipe multidisciplinar para proporcionar à Polícia Judiciária Civil um tempo de resposta mais adequado à natureza dos crimes complexos e emergenciais e, consequentemente, sua elucidação.

O Grupo de Atuação em Perícias Especiais (GAPE) nasceu em 2018, com a aula inaugural do Curso Básico em 14 de maio de 2018 sendo sua primeira atuação em janeiro deste ano na invasão na Fazenda Bauru, do ex-deputado estadual José Riva, na perícia do local onde uma pessoa foi assassinada e outras ficaram feridas. A última ação ocorreu no dia 13 de maio, no bairro Nova Conquista, em Cuiabá, quando foram encontradas as ossadas de duas mulheres desaparecidas há seis anos.

Foto: assessoria

A principal diferença entre o acionamento do GAPE e da equipe do plantão é o trabalho conjunto e multidisciplinar, uma vez que o Plantão da Criminalística Metropolitana não oferece tal modalidade.

A experiência de ser especialista em local de crime fez toda a diferença para que o perito criminal Daniel Lopes fosse selecionado a integrar o Gape. Na época da Copa do Mundo ele foi capacitado para perícias em desastre em massa com protocolos da Interpol e utilizou esse conhecimento, por exemplo, durante a perícia na chacina em Colniza em abril de 2017, quando 9 pessoas foram assassinadas. Mesmo com os corpos espalhados por um longo trecho, ele conseguiu auxiliar a Polícia Civil fazendo o trajeto que os assassinos percorreram, posição e situação em que as pessoas estavam quando foram mortas.

“Sem a existência do GAPE ainda, ali foi realizado um trabalho integrado com peritos, médico legista e técnicos em necropsia da região”, comentou o coordenador do GAPE, Perito Luis Paoli.

Os 16 membros do GAPE são voluntários, não recebem remuneração extra pelo trabalho, tendo em comum o desejo de elucidar casos mais complexos. Entre eles há Peritos Médicos legistas e odonto-legista, peritos especialistas em local de crime de morte violenta, crimes de trânsito, Peritos da engenharia legal, Peritos do laboratório forense, Peritos da computação, Técnicos em necropsia e Papiloscopistas.

Caso das ossadas

Foto: assessoria

O perito criminal Daniel Lopes atuou como consultor para a Delegacia de Homicídios até que a operação para as escavações pudesse ser realizada, pois corria em sigilo. Para garantir que tudo fosse realizado da melhor forma possível, diante das eventuais adversidades que a operação sugeria, o GAPE enviou um perito de Local de Crime, uma perita da engenharia legal, especialista em estruturas e segurança do trabalho, e uma técnica de necropsia com conhecimento em osteologia, a participação desses profissionais foi imprescindível para rastrear, localizar e retirar os restos mortais.

Após dois dias de trabalho, conseguiram chegar nas ossadas, que ainda vão passar por exame de DNA. Contudo, a Polícia Civil já diz ter a convicção de que se trata de Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos, e Benildes Batista Almeida, 39 anos, pois ambas mantiveram relacionamento amoroso com o proprietário do imóvel e o suspeito dos assassinatos, Adilson Pinto da Fonseca, 48 anos.

As ossadas estão no laboratório forense para análises que podem durar dias ou meses, dependendo das condições do material colhido.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento