Conectado por

Amazonas

Amazonas tem estoque de 18 mil testes de Covid-19 com vencimento para março e abril de 2021

Publicado por

em

Secretaria Estadual de Saúde (SES-AM) informou que não há falta de insumos para a realização dos exames.

O Amazonas tem 18 mil kits de testes RT-PCR para a Covid-19 com vencimento para março e abril de 2021. Não há testes com vencimento para dezembro e janeiro. A informação é da Secretaria Estadual de Saúde (SES-AM), que monitora a pandemia no estado.

G1 chegou a questionar a Secretaria se o estado conseguirá utilizar os testes até a data de validade e qual o planejamento para a utilização dos mesmos, mas até a publicação deste texto não obteve resposta.

Em São Paulo, o Ministério da Saúde armazena um estoque com 6,86 milhões de testes para a Covid-19 que podem perder validade até janeiro de 2021. Os testes custaram R$ 290 milhões à União. Questionado sobre o volume de testes sem uso, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo federal enviou “todo o material” para testes de Covid-19 a estados e municípios, que, segundo ele, devem dar explicações caso esses testes vençam antes de ser usados.

Até a terça-feira (24), 51.133 testes RT-PCR já tinham sido realizados no Amazonas, sendo que 17.011 pessoas tiveram resultado positivo e 34.122 apontaram negativo.

De acordo com a Fundação de Vigilância e Saúde do Amazonas (FVS-AM), 2,2% da população do estado foi testada por meio do exame.

Segundo a SES-AM, os kits de RT-PCR são repassados pelo Ministério da Saúde dentro da necessidade de testagem do estado. O último repasse foi feito no dia 10 de novembro. O órgão também informou que não há falta de insumos para a realização dos exames.

O teste RT-PCR é o de maior precisão para o diagnóstico da Covid-19. A análise é feita com base em amostras da região do nariz e da garganta, e indica o vírus ativo, ou seja, a infecção ainda em andamento.

Já número de testes rápidos é bem maior. Ele é feito pela análise de uma amostra de sangue do paciente. Desde o início da pandemia, 384 mil pessoas já foram testadas no Amazonas apenas com os testes rápidos.

Dados da Secretaria de Saúde mostram que 174 mil casos da doença já foram confirmados no estado, além de quase 5 mil mortes.

Segunda onda?

Desde setembro, a Fundação de Vigilância e Saúde (FVS-AM) identificou uma queda na desaceleração dos casos de Covid-19 no Amazonas. Na época, o órgão identificou as aglomerações como principais fontes de contágio no estado e o governo voltou a fechar bares, praias e flutuantes no estado.

No final de outubro, o mesmo decreto foi prorrogado, mas o governador Wilson Lima negou uma possível segunda onda de infecções. No entanto, o Hospital Delphina Aziz – referência no tratamento da doença no estado – chegou a ter quase 100% dos leitos de UTI ocupados.

Na terça-feira (24), Secretaria Estadual de Saúde (SES-AM) identificou que o Amazonas é o quinto estado do país com maior mortalidade por Covid-19. Do início da pandemia até o dia 14 de novembro, o estado registrou 113,2 óbitos para cada 100 mil habitantes, conforme os dados oficiais.

G1