Conectado por

Educação

Alunos estão sem aula há quase um mês em MT após transformador de energia de escola queimar

Publicado por

em

Os alunos do período noturno da Escola Estadual Maria Arruda Muller, que fica às margens da BR-364, em Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá, estão sem aula há três semanas desde que um transformador de energia queimou. A escola não tem previsão de quando a situação será normalizada.

Continua após a publicidade

O prédio da escola tem 12 salas de aula, mas a estrutura do telhado está comprometida. O madeiramento está podre e os suportes de ar-condicionado estão estragados, conforme a dona de casa e mãe de dois alunos, Benedita Guia dos Santos.

“No fundo da escola tem um telhado caindo em cima da cabeça dos alunos. É um grande perigo”, disse.

A escola atende 450 alunos do ensino fundamental e médio.

Escola pública está sem energia (Foto: TVCA/ Reprodução)

Escola pública está sem energia (Foto: TVCA/ Reprodução)

O transformador que queimou tinha dois anos de uso. Um novo transformador tem o custo médio de R$ 14 mil.

O engenheiro eletricista da secretaria-adjunta de Obras da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Alan Alexandre Pereira, explicou que a escola deve fazer três orçamentos diferentes e enviar para a secretaria comprar o novo transformador.

“A informação que eu tive é de que ele queimou por um fenômeno da natureza, então a empresa não tem a responsabilidade de fazer a troca”, contou.

Segundo o presidente do Conselho Escolar, Ivens Lopes de Abreu, a Seduc havia informado que não tinha dinheiro suficiente para comprar um novo transformador.

“Me disseram que não tinham dinheiro para fazer a reposição do aparelho. Se eles tivessem repassado essa informação, as aulas já teriam voltado”, afirmou.

A técnica administrativa de educação Thaise Rodrigues afirmou que um e-mail foi enviado para a Seduc, no dia em que o equipamento queimou, no entanto, a resposta chegou depois de 20 dias.

“Foi enviado um email no dia 17 de agosto e a resposta veio somente no dia 6 de setembro. Foi um descaso com a escola e não fizeram nada para resolver o problema”, afirmou.

Na semana passada, os alunos dos períodos matutino e vespertino que moram na zona rural pararam de frequentar as aulas porque o transporte escolar tinha sido interrompido.

Segundo o mecânico Amilton Marques Teixeira, que também é pai de uma aluna de sete anos, a escola não estava com o pagamento dos motoristas em dia.

“Não estão pagando os motoristas há duas semanas e é muito triste ver a minha filha sem estudar”, contou.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *