Conectado por

Rondônia

Ação Social é realizada na Delegacia da Mulher em alusão ao 13º aniversário da Lei Maria da Penha, em Porto Velho


Compartilhe:

Publicado por

em

Na quarta-feira (7) a Lei Maria da Penha fez 13 anos de existência, a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) realizou a 1º ação social com serviços estéticos. Dentre os atendimentos, emissão de RG, CPF, Título de Eleitor, Carteira de Trabalho, aferição de pressão arterial, segundas vias de certidão de nascimento e casamento.

Os serviços foram oferecidos na própria delegacia situada na avenida 7 de Setembro com rua Euclides da Cunha – Centro da Capital. E contou com a presença do Secretário de Segurança Pública – coronel José Hélio Cysneiros Pachá. A solenidade começou às 8h, onde foi servido café da manhã à comunidade em geral e as autoridades presentes.

“Estamos felizes em comparecer na 1° ação social da Deam. Eu e meu adjunto, doutor Hélio Gomes Ferreira, nos sentimos honrados pelo convite. Essa é uma das preocupações do nosso governador coronel Marcos Rocha, buscar junto com a Polícia Civil soluções para combater crimes de violência doméstica,” firmou o secretário Pachá.

Configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico, moral e também patrimonial; conforme a Lei Maria da Penha Art. 5º 11.340/06.

Durante o discurso, a delegada titular da Deam, Fabrizia Alves, contou que busca atender com eficácia as mulheres vítimas de homens agressivos. “Não é fácil elevar a autoestima da mulher ferida. Muitos homens destroem o psicológico da esposa, mãe e filhas. Elas chegam sem esperança na delegacia, porque a pessoa que deveria protegê-las é as que maltratam,” desabafou Fabrizia.

A delegada Fabrizia conta com o apoio de outras duas delegadas-adjuntas: doutora Carolina Castro e Juliana Tavares. Juntas organizaram o evento onde conseguiram parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). “Nós temos planos de fazer outras ações no futuro. Viver sem violência é um direito de todas as mulheres e estaremos aqui para fazer esse enfrentamento,” finalizou Fabrizia.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *