Conectado por

AL/MT

Votação é adiada e Janaina Riva cita “desespero de mães de LGBTs”


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

O projeto de lei que prevê a criação do Conselho Estadual LGBTQIA+ em Mato Grosso que tramita na Assembleia Legislativa teve sua votação adiada mais uma vez.

O texto deveria ter sido colocado em pauta na sessão desta semana, mas está trancado na Comissão de Direitos Humanos, Direito das Mulheres, Cidadania, Amparo à Criança, ao Adolescente e ao Idoso, que tem como presidente o deputado evangélico Sebastião Rezende (PSC).

O adiamento ocorre após uma “manobra regimental” em que o parlamentar requereu uma reunião entre os membros da comissão antes da votação do projeto. A reunião, agendada para o dia 22 não aconteceu, e o projeto, que foi enviado em setembro pelo Executivo, está parado.

A deputada Janaina Riva (MDB), uma das poucas defensoras do projeto, afirmou que acredita não haver votos suficientes para implementação do conselho e criticou os colegas resistentes.

Nós não escolhemos como nossos filhos serão. Eu vejo o desespero das mães de LGBTs

A emedebista, que é a única mulher no Legislativo Estadual, fez um longo desabafo e disse se colocar no lugar das mães que temem pela vida dos seus filhos LGBTQIA+ por falta de políticas públicas.

“Eu debato qualquer assunto aqui na Assembleia, seja na tribuna ou nas comissões, em um lugar de mãe. […] Nós não escolhemos como nossos filhos serão. Eu vejo o desespero das mães de LGBTs, porque já vi que o conselho não será votado e se for, vai ser reprovado”, disse.

“Eu já vi isso e quando vejo o desespero dessas mães eu penso: meu Deus, são mães como eu”, emendou.

Janaina ainda apontou a diferenças entre mães de filhos que pertences as minorias sociais, como negros, pessoas deficientes e LGBTQIA+.

“A mãe de um negro não é como a mãe de um branco. O filho dela sai de casa e ela tem que se preocupar se ele vai ser abordado pela polícia. Porque se ele estiver em um carro bom, pode ter certeza que vai ser parado e se estiver de moto, também. O LGBT é da mesma forma”, disparou.

Recursos para a causa

A parlamentar explicou ainda que mesmo sem a existência do conselho, haverá recursos destinados à redução da violência contra LGBTQIA+, para combate ao preconceito e redução da desigualdade social.

A diferença, segundo Janaina, está que nenhum representante da categoria vai ser consultado sobre as principais necessidades da categoria.

“A diferença é que sem o conselho ninguém vai ser consultado sobre como esses recursos serão aplicados. A Secretaria de Assistência Social tem recurso específico para promoção da igualdade racial, redução do preconceito, empoderamento feminino”, afirmou.

Midianews.com.br

Publicidade
Betfair

ALE-RO

ÓTICA DINIZ
Online Cassino


Desenvolvimento