Conectado por

Acre

Vítimas de explosão de barco no juruá voltam para casa e relatam drama do acidente


Compartilhe:

Publicado por

em

Três das quatro vítimas da explosão do barco ocorrida em Cruzeiro do Sul e que estavam em tratamento em Brasília já receberam alta médica: Francisco Rodrigues de Oliveira, 70, José Francisco do Nascimento Neto, 48, e Francisco Rodrigues da Rocha, 55. A previsão é de que João Oliveira da Silva, 32, também seja liberado esta semana.

Os quatro estavam em tratamento no Departamento de Queimados do Hospital da Asa Norte (HRAN), em Brasília. Segundo o diretor do Departamento, médico José Adorno, eles chegaram ao hospital com uma média de 30% ou mais do corpo queimado, incluindo tronco, braços e, principalmente, pernas.

O atendimento incluiu desde fisioterapia para reabilitação ao atendimento psicológico. Depois de liberados, eles terão que continuar o tratamento ambulatorial no Acre, como as fisioterapias.

“O encaminhamento deles é feito com referência para o Estado, para que os profissionais de lá possam atendê-los de acordo com o protocolo de atendimento a queimados”, explicou Adorno.

Renasci aos 70 anos

“Quem renasce aos 70 anos como eu renasci, tem mais é que comemorar”, afirma Francisco Oliveira. Na segunda-feira,1, ele já estava em Cruzeiro do Sul, na casa do filho Jonas, onde pretende ficar uma semana e seguir depois para Marechal Thaumaturgo, onde mora.

Sobre os momentos da explosão, Francisco conta: “Ouvi o estouro e fui jogado no rio. Mergulhei e quando subi e olhei para o barco, estava estourando tudo, só via gente caindo na água. Fui nadando junto com a correnteza até chegar no barranco. Senti meu corpo quente e frio ao mesmo tempo e não vi mais nada”.

Sobre o socorro e tratamento recebidos no Acre e em Brasília, ele garante: “Só tenho a agradecer, porque fui muito bem tratado: médicos, enfermeiros, remédios e atendimento a toda hora”. Ele diz que também se esforçou muito para se curar seguindo as recomendações médicas, inclusive da fisioterapia.

Histórias

O autônomo José Francisco do Nascimento Neto, 48 anos, também de alta, disse que é de Cruzeiro do Sul, mas ultimamente está morando em Porto Velho (RO) com a família. Ele contou que estava no barco que explodiu por um motivo: “Fui recuperar essa embarcação, que tinha vendido para a pessoa que comandava a viagem. O pagamento estava atrasado e eu ia pra Thaumaturgo trazer a embarcação de volta”.

Sobre os momentos da explosão, conta: “Senti um impacto como se tivesse arrancado minhas pernas e que me jogou na água. Boiei perto da embarcação e vi incendiando tudo. Consegui socorro quando cheguei no barranco”.

Outro dos quatro sobreviventes da explosão também de alta é Francisco Rodrigues da Rocha, de 55 anos, que ainda se emociona ao lembrar do acidente, onde perdeu a filha, Simone Souza Rocha, 22. Ele disse que segundos antes da explosão ela afastou-se de onde ele estava, na popa do barco.

“Quando explodiu, pulei na água. Quando subi, vi o barco pegando fogo, fumaça subindo e gente se jogando no rio. Minha filha também estava na água. Ela pediu para segurar a mão dela e nadamos até o barranco. O socorro levou ela e depois daquela hora não vi mais a minha filha”, diz. Agora, ele quer “pensar na recuperação e agradecer a Deus por estar vivo”.

Quem continua em tratamento em Brasília é o agricultor João Oliveira da Silva, de 32 anos, também de Marechal Thaumaturgo. Mas está otimista com a possibilidade de voltar para casa esta semana. Sobre o acidente, conta que estava na proa do barco, quando ocorreu a explosão que o jogou na água.

“Saí nadando, uma pessoa passou com uma canoa e me ajudou a chegar do outro lado do rio. Uma mulher disse para eu olhar para as minhas pernas e, quando vi, estava caindo o couro (pele)”. Mas João não gosta de lembrar. Só quer voltar para casa, no Seringal Boa Vista, e ficar perto dos pais e dos irmãos, “cuidando da roça e fazendo farinha”.