Conectado por

Artigos & Colunas

Visões: navio afunda, estratégias contra coronavírus, contaminação do coronavírus… Por Elza Amorim de Carvalho

Publicado por

em

Visões: navio afunda, estratégias contra coronavírus, contaminação do coronavírus, Exército, peixes e armação, departamento de inteligência, investidas maligna sobre os jovens.

Na madrugada do dia 14 de março de 2020, eu tive às seguintes visões:
Eu vi um grande navio de cruzeiro,  era na cor branca e detalhes ou janelas azuis.
De repente, eu vi este navio como se algo o inclinasse para frente. E ele começou a descer de bico para dentro d’água, afundar.
Parei de ver
(Parecia o navio que está ancorado no Ceará que o rapaz passou mal suspeita “coronavirus”)
Eu não sei se este afundar e algo ruim que acontecerá dentro dele, ou se serão as vias de fato.

Depois eu vi um grande mapa, estava sobre uma bancada, haviam  pessoas ali que eu não conseguia vê-las.
Mas do outro lado da bancada, dois homens, eu sou via as mãos e parte tórax e queixo.
E ele tracavam e explicavam estratégias.
Foi quando eu vi um deles pegar um piloto azul, traçar uma grande área no mapa, eu vi a linha em formato de um losango bem cumprido que ele fez, vi os quadrados, áreas demarcadas.
Mas eu não conseguir ver as regiões, pois o mapa estava deitado lateral para mim.
Eu só via as linhas sobre grandes áreas verdes do mapa, que seriam as florestas.
E um deles explicando falou assim: “ninguém quer esta vegetação”
Minha mente voltou.

(Prepare-se Brasil)

Quando minha mente voltou eu fique pensando e perguntando a Deus que estratégias seriam aquelas.
Foi quando eu ouvir a palavra no tom bastante expressivo. “coronavírus”

Depois eu vi uma festa, era promovida por um dos órgãos das forças armadas, Exército.
Eu via às pessoas em pé, conversando enquanto eram servidas.
Foi quando um soldado veio com uma bandeja com copos quadrados de vidros transparente, bonitos, com Coca-cola servindo aos convidados.
Na bandeja, mas por baixo do braço dele tinha um copo, ele estava protegendo para ninguém o pegasse.
Então eu o perguntei porque ele o protegia.
Ele me respondeu: “se quiser pegar pegue, mas este aqui uma moça pegou, não bebeu, mas tocou no copo e pôs aqui de novo, e ela foi para o médico com suspeita de coronavirus”
Então eu falei para outras pessoas: oh, e ele o protegendo, ele está se prejudicando, porque ele pegou no copo, é injusto.
Minha mente voltou.

Depois eu tive duas visões ao mesmo tempo, estranho.
Eu me via em um lugar com bastantes águas limpas, parecia queda de águas.
E ali haviam muitos peixes, eles saltitavam sobre as correntes das águas,  e eu ia pegando alguns, que eram para eu distribuir para pessoas que precisavam de comida.
Quando os peixes pulavam eu colocava a mão no ar e ia pegando.
Eram peixes não tão grandes, mas eram de diversos tipos.
Peguei um peixe piaba, estava sem a cabeça, eu disse; está errado, aqui é mar, os peixes tem que estar inteiros.
Mesmo assim o coloquei na vasilha. Depois peguei um outro e parecia estar aberto, tratado,  mas às espinhas da barriga estavam aparecendo, parecia podre. Eu o coloquei na vasilha também, peguei ainda outros similares.
Quando eu olhei para a caixa de isopô que eu usando, eu vi que aqueles peixes estragados eu não podia utilizar.
Então eu pensei: vou pegar um cesto grande, vou colocar aqui na frente, os peixes vão pular direto dentro do cesto, não fica água dentro mesmo, então vou conseguir pegar muitos.
Neste instante, eu já estava dentro das águas e eu tive um pressentimento que algo havia ali.
Então eu pensei; vou descobrir, e peguei os peixes ruins e joguei para cima.
Foi quando eu vi um tubarão pular para pegar os peixes.
Então eu percebi que o tubarão se escondia e estava armando para me pegar, sair.

Junto a visão acima, eu vi essa.
Eu já me vi em um lugar, o cenário parecia um quadro de parede, pintura.
Bonito, e haviam muitas pessoas ali,  de repente, este quadro ganhou vida e as pessoas circulavam, as plantas movimentavam-se.
E ali atrás, havia um grande muro branco, ali era algo importante.
Haviam vários homens junto ao largo portão de madeira verniz escuro, eram os guardas.
Haviam muitas pessoas na rua a frente, algumas queriam entrar naquele lugar.
Foi quando eu ouvir:
Departamento de Inteligência.
Minha mente voltou.
(Algo envolvendo este órgão ou está área será sabida)

No dia 13 de março eu tive outras visões,  mas não conseguir anotá-las.
Era algo muito perturbador envolvendo os jovens.
Eram espíritos de suicídio, de vícios atuando para destruir os jovens.
Havia grande investida do inimigo para enlouquecer os jovens.
Tinha tramas para prejudicá-los até mesmo nos estudos, algo abusivo, para trazer desgaste e afetá-los na mente.
Lembro ter ouvido, se eu não estou esquecida foi na voz da Maju Coutinho uma reportagem em que dizia assim ;
O número de pessoas jovens, paralíticos, subiu para…
Parei de ouvir.

Somente Deus para ter misericórdias de todos nós.

Partes destas visões eu sei a tradução, mas vou escrever somente às coisas que eu vi.
Desde do ano de 2015 eu tenho passado os alertas de Deus, através de sonhos,visões e traslado.
Mesmo com tudo acontecendo, ninguém conseguer ver nada, parece que as mentes ficaram cauterizadas no engano.
Há tanto tempo que vos alerto sobre coronavirus, sarampo, dengue, aneurisma, difteria, rubéola, catapora, chicungunha, entre outras que surgirão.
Todas, também, fazem partes das pragas apocalípticas.
E, ninguém poderá mudar este quadro, tudo foi escrito ainda no início.
A única saída é confiar em Deus.
Porém, quem têm dado crédito?

Mas, quando vier isto (eis que está para vir), então saberão que houve no meio deles um profeta.
Ezequiel 33:33

Pra Elza Amorim Carvalho
Elzacarvalho68@gmail.com
https://praelzaamorimcarvalho.blogspot.com.