Conectado por

Religião

Visão: Alertas urgente, explosão vulcânica/nuclear, enchentes, invasão do mar, estouro, queda de barragem, vacinas, peste bubônica, elefantiase, gavião – Por Pra Elza Amorim Carvalho


Compartilhe:

Publicado por

em

Amados, pode quem quiser me chamar de louca, achar que eu estou mentindo, dizer que estou fantasiando, pode quem quiser duvidar de tudo o que eu digo e vejo, podem zombar, ironizar, ridicularizar, desacreditar, criticar a vontade.
Porém, nada me fará ficar omissa ao que Deus tem me mandado fazer.
Jeremias também era criticado o tempo inteiro, ninguém dava crédito ao que ele falava, justamente porque, ele falava a verdade que vinha de Deus e não era o que o povo queria ouvir, ele não falava nada para agradar seja lá a quem fosse, mas Ele só dizia o que Deus mandava ele falar, mesmo assim, quem dava crédito?
Só depois que as tragédias ocorreram, só depois que o mal veio e assolou Jerusalém e Judá foi que acreditaram no que Jeremias anunciou, no entanto, já era tarde demais.
Deus mostra o mal que estar por vir, para que o povo se volte para Ele e se converta do seu mal caminho.
Porém, quem creu na nossa pregação,  quem atentou para os avisos de Deus?
Do que se queixa pois o homem vivente, senão dos seus próprios pecados? É o que diz a palavra de Deus.

Mais uma vez eu tive várias visões, desta vez eu via as cenas de forma tão real que me assustou. Na manhã deste dia 3 de abril de 2019, eu vi várias cenas.
* Eu vi como uma explosão, um jato de cinza ou poeira, algo desse tipo, subir da terra de forma monstruosa, tomando uma grande parte do ar.

* Depois eu vi muitas águas sujas, lugares completamente alagados, casas submersas, carros submersos, vi um estrago muito grande, eu vi várias cenas de enchentes, acredito que seja em locais diferentes.

* Depois eu vi, os céus mudar completamente de uma hora para outra, e nuvens densas, pesadas,  escureceu tudo, e as nuvens entravam uma nas outras, parecendo que estavam correndo, brigando, algo semelhante.
E começou a trovejar, de repente, foi tanta chuva, tempestades, ventos,  algo terrível, e tudo ficou sombrio.

* Depois eu vi às águas do mar invadindo tudo, invadir as ruas, casas, levando tudo pela frente.
Causando uma assolação assustadora.  Eu só via os destroços, a ruína e as águas se embolando.

* Eu vi uma mulher com uma criança no colo, e ela estava de costas para mim, mas eu vi a cabeça desse bebê, ela estava maior do que o normal, e eu vi, uma outra mão com a vacina de gotinhas para colocar na boca do bebê.

* Depois eu vi, parecia um eixo, algo redondo giratório. Penso que estava segurando alguma coisa muito pesada, porque era algo grande e muito largo,  e eu vi aquele eixo rodando e saindo do lugar, como um barulho de relógio de praça, eu ouvia os estalos.
E eu vi ele girando, como fosse partir ao meio, e ia saindo algo, um líquido, sujo,  quando aquela roleta girava, dividiu-se, e houve uma explosão de um líquido, não sei se era lama, não sei se era água suja, não sei se era ferrugem.  Eu só sei que aquele lugar, eu tive a impressão que desmoronou tudo, passou a não mais existir.

* A mais impressionante cena que vi foi essa, eu vi uma estrada, e muitas pessoas correndo desesperadas,  homens, mulheres, crianças, vi várias jovens,  vi uma com cabelos compridos, amarrado tipo rabo de cavalo, ela corria olhando para atrás e o cabelo ia da esquerda para direita, vi rapazes em grande pique com aspeto de pavor, vi  muita gente, e  até cachorros.
Esta estrada era em um lugar baixo. Parecia um vale,
Foi quando eu olhei para cima, e vi uma barrragem, havia bastante verde ali,  e a barragem, ela só deu um pipoco, e abriu-se a frente.
Meu Deus, as lamas parecia ganharem asas, vieram como uma furiosa cachoeira por cima do verde.
Terrível,  cobriam tudo.
A velocidade que ela vinha, superava assustadoramente  a rapidez das pessoas.
Eu não sei o que sobrava, mas eu vi uma cena rápida, somente lamas.

Depois vi também, umas coisas muito estranhas, ilegíveis a mim, vi entre elas um pé,  o pé ficava cheio de bolhas, vermelho,  inchado.
Depois eu vi o pé todo comido por baixo, as unhas corroídas por bichos, vi pernas cheias de bolhas,  parecia ir soltando os pedacinhos.
Vi palmas de mãos terrivelmente comidas, corroídas,  parecia já estar sem pontas de dedos.
Horrível.
Vi também algo, parecendo um rato, como se fosse um feto se formando,  eu vi uma mão  segurá-lo pelo rabo e suspender, como estivesse me mostrando.
Via outras coisas do mesmo jeito, só não entendi.

Por último eu vi um pássaro,  parecia um gavião,  alguma ave dessa espécie, ela girou e arrastava as unhas querendo destruir algo que ele prendia debaixo da sua pata direita, eu vi isto por duas vezes.
Eu não entendi,  eu só decidir escrever, porque antes de acontecer o episódio no aterro do flamengo,  eu algumas vezes o urubu com as asas abertas.
Depois eu vi um ninho de urubu e alguns filhotes com bico aberto pedindo comida.
Eu pensei que era outra coisa, só quando vi as imagens do que aconteceu, e aquele urubu que é o símbolo, foi que eu entendi  do que se tratava a visão pois o urubu é o mesmo da minha visão.

Se preparem, oh povos, coisas terríveis vão acontecerem.

Eu vou falar enquanto Deus me mostrar, mesmo comprando brigas. Tem muitas vacinas contaminadas, tomem cuidado. 
Proteção garantida só sob os cuidados de Deus.
Nada na terra, desde 2015 para cá, é como era antes.
As vacinas já foram boas,  agora desconfiem de tudo.
Há muitas pessoas dominadas pelo mal. E a função do mal é matar, roubar e destruir.
Cada um faz o seu papel, o meu é alertar,  eu sou Atalaia de Deus.
Deem ouvidos quem quiser.

Tudo que todo Ser humano precisa é entregar-se, sem reservas a Deus.
Não adianta querer burlar aquilo cujas forças são superiores a nossa.
Podem ensaiar, cronometrar, tudo acontecerá no piscar de olhos, inútil são as estratégias do homem.
Livramento, só Deus poderá nos dá.
É Apocalipse, o remédio é depender unicamente de Deus.

E disse: Ouvi agora as minhas palavras; se entre vós houver profeta, eu, o Senhor, em visão a ele me farei conhecer, ou em sonhos falarei com ele. Números 12:06

Pra Elza Amorim Carvalho
[email protected]

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *