Conectado por

Medicina

Vacina emergencial certificada pela Anvisa ‘está a caminho’, diz Bolsonaro


Compartilhe:

Publicado por

em

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) escreveu no Twitter, na manhã desta segunda-feira (4/1), que a vacina emergencial contra a Covid-19 certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e de caráter não obrigatório, “está a caminho”.

Na postagem, não há indicação de data ou detalhes sobre o plano nacional de imunização contra o novo coronavírus.

A semana que se inicia promete ser decisiva para que o calendário de imunização contra a Covid-19 no Brasil seja definido. A expectativa é que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) peça, nos próximos dias, a autorização emergencial à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a fórmula desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca.

O Instituto Butantan também se comprometeu, no fim do ano, a completar o dossiê sobre a vacina Coronavac nos primeiros dias de janeiro e, a partir daí, a intenção seria solicitar a liberação da fórmula chinesa. O governo paulista, que patrocina a Coronavac, tem reiterado que pretende começar a vacinação no estado em 25 de janeiro.

Existe, ainda, a possibilidade de que a Pfizer faça o pedido de uso emergencial nesta semana. Nos últimos dias de 2020, a empresa sinalizou que poderia mudar a estratégia, voltando atrás na decisão de pedir apenas o registro definitivo do fármaco.

Após reunião com a Anvisa, o fabricante afirmou que cogita recorrer à aprovação imediata como já vem fazendo em outros países.

Hidroxicloroquina

Bolsonaro compartilhou o vídeo de um programa da Jovem Pan de 2 novembro em que o pediatra e toxicologista Anthony Wong defende o uso da hidroxicloroquina, Azitromicina, Annita e de outros medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento da Covid-19.

No programa, depois de o médico ter feito uma defesa enfática da hidroxicloroquina, a repórter Paula Leal questionou o porquê de a Organização Mundial da Saúde (OMS) não adotar o medicamento. O profissional responde que “tem muito dinheiro envolvido”.

Em novembro, circulou no WhatsApp um vídeo em que Wong dissemina informações enganosas sobre potenciais vacinas contra a Covid-19. O médico retirou de contexto o percentual de efeitos adversos do imunizante Coronavac, desenvolvido pela empresa chinesa Sinovac Life Science e testado no Brasil em parceria com o Instituto Butantan.

O chefe do Executivo federal propaga o uso da hidroxicloroquina desde o início da pandemia, apesar da ausência de comprovação científica pela comunidade médica e autoridades sanitárias.

Quando contraiu o novo coronavírus, em julho, Bolsonaro virou um garoto propaganda do medicamento, que apareceu em várias lives.

Metropoles