Conectado por
Governo de Rondônia

Discriminação

Taxista enganava turistas ao cobrar R$ 1.500 do aeroporto ao centro da cidade

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Sempre que se viaja a um país desconhecido, a melhor dica é pesquisar antes sobre a cultura e os padrões de vida da população local. Se algo fugir do controle ou parecer muito distante da realidade, denunciar pode ser o melhor caminho.

O jornal The Connexion relatou recentemente o caso de um taxista de Paris que enganou turistas para que pagassem quase cinco vezes a tarifa padrão para uma viagem do aeroporto Charles de Gaulle ao centro da cidade.

Após denúncias virem a público, uma associação de taxistas entrou com uma ação judicial contra um motorista que cobrou de dois turistas €230 (o equivalente a R$ 1.500 na cotação atual da moeda), por uma viagem do aeroporto a um hotel no centro de Paris. De acordo com os preços padronizados, a tarifa da viagem, que normalmente dura cerca de uma hora, deveria ter custado €53.

Os dois viajantes a negócios, que chegaram a Paris vindos de Hong Kong em 1º de janeiro, sabiam que estavam sendo enganados pelo motorista, mas foram intimidados e pagaram a passagem. Dias depois, eles postaram o recibo da viagem no grupo do Facebook da associação de táxis de Paris, a Les Nouveaux Taxis Parisiens, junto com os detalhes da marca do carro e a placa do táxi.

A associação, criada em 2014 com o intuito de “restaurar a imagem da profissão de taxista na França”, conseguiu identificar o motorista e constatou que era alguém conhecido por enganar passageiros. Agora, a entidade apresentou queixa contra o motorista para proteger a reputação da sua profissão.

O presidente da associação, Jean Barreira, disse à rede de notícias France Bleu que os taxistas profissionais “estão fartos desses bandidos e que uma minoria de motoristas está arruinando os esforços de toda uma profissão que tenta melhorar a qualidade de seu serviço”. Ele acrescentou, dizendo que “o problema é que o governo não fez nada para acabar com essa anarquia”.

De fato, a associação está certa. Podem haver um milhão de viagens de táxi, mas a que virará notícia é, geralmente, aquela que mostra que algo errado aconteceu. Isso é inerente ao jornalismo, apontar essas situações para que não ocorram mais.

 

 

Aeroin