Conectado por

Agronegócios

Soja: Preços na entressafra do Brasil vão depender, além dos fundamentos, do comportamento do produtor


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Os preços da soja terminaram o dia com perdas de mais de 10 pontos entre as posições mais negociadas na Bolsa de Chicago nesta terça-feira (28). Assim, o novembro encerrou os negócios com US$ 12,77 e o maio/22 voltou a perder os US$ 13,00 por bushel, fechando com US$ 12,98.

Em contrapartida, o dólar subiu quase 1% frente ao real, termina o dia acima dos R$ 5,40 e ajudou na manutenção de preços ainda elevados e sustentados para o produtor brasileiro. São referências nos portos ainda acima dos R$ 170,00 por saca para a safra velha e dos R$ 160,00 para a temporada 2021/22.

Como explicou o economista e analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais, o dólar hoje foi determinante para a garantia de preços melhores no mercado nacional, uma vez que os prêmios também cederam ligeiramente no Brasil.

“O comportamento do produtor nos últimos dias,  observando a questão climática, tem sido de retração”, relata Motter sobre o ritmo atual dos negócios no mercado nacional. “Se observarmos a formação do preço em agosto e início de setembro, as altas foram lideradas pelos prêmios. Mas, nos últimos dias, se deu pelo avanço do câmbio, ao lado da retração de Chicago e dos prêmios”.

Em algumas regiões, mesmo que momentaneamente, os preços locais se mostram melhores e mais elevados do que as referências das exportações, o que acaba motivando negócios pontuais e mais locais onde essa realidade se desenha e se confirma.

Ainda segundo o analista, é difícil a definição de uma tendência para os mercados da soja tanto em Chicago, quanto no Brasil. E para que essa trajetória se defina será necessário monitorar alguns fatores como o comportamento da demanda chinesa nos próximos meses, o andamento do plantio no Brasil e o ritmo de comercialização.

“Se o produtor reter muito os estoques remanescentes de safra velha, é possível que tenhamos uma tendência de alta expressiva para o produto disponível no período de entressafra. Então, vai depender muito do comportamento que o produtor adotar, o qual estará muito relacionado à evolução da nova safra no campo. Se ela evoluir bem, é claro que ele vai se desfazer dos lotes mais cedo. Se a safra começar a emperrar por questões climáticas é possível que ele segure um pouco mais diante da perspectiva de novas altas pela frente. E esse comportamento vai ser importante para definir quão mais alto esse preço interno será na entressafra em relação à paridade de exportação”, explica.

BOLSA DE CHICAGO

Ao lado do dólar, pesam sobre os preços praticados em Chicago o clima melhor sendo esperado para o plantio no Brasil, com chuvas melhores e mais bem distribuídas previstas para outubro.

Do mesmo modo, o avanço da colheita americana, que, de acordo com o último boletim semanal de acompanhamento de safras, chega a 16%, também é fator de pressão. O número ficou ligeiramente acima do esperado, que era de 15%. O índice de lavouras em boas ou excelentes condições permaneceu inalterado em 58%.

Paralelo ao cenário de oferta, o de demanda também continua sendo acompanhado, com a China em foco. O ritmo de vendas e embarques norte-americanos segue baixo, mas tende a se recuperar com a chegada da nova safra e com uma melhora das questões logísticas nos EUA, tornando sua soja, inclusive, mais competitiva.

 

Noticiasagricolas.com.br

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento