Conectado por

Religião

Sexo, religião, política e morte: a saga de Flordelis e Anderson

Publicado por

em

Criada em uma favela carioca e evangélica desde jovem, a cantora, pastora, deputada e agora ré Flordelis dos Santos de Souza, de 59 anos, nunca teve tantos holofotes quanto hoje, mas várias passagens de sua vida dariam (mais) um filme. E o gênero seria o terror, segundo um dos 55 filhos de Flordelis com o pastor Anderson do Carmo, que mudou de nome após denunciar ter sido ameaçado pela mãe adotiva.

Continua após a publicidade

Até já houve um filme, em 2009. Uma cinebiografia cheia de globais, quando a artista e religiosa era festejada por ter acolhido dezenas de sobreviventes de uma chacina e criado uma grande família baseada nos preceitos cristãos. Hoje, com Flordelis e mais 10 pessoas indiciadas pela morte de Anderson a tiros, o diretor Marco Antônio Ferraz lamenta ter realizado o que chama de “uma mentira”.

Mas qual é verdade? A Polícia Civil carioca tem certeza de que, no seio dessa grande família, havia uma quadrilha que tramou o assassinato do pastor e tentou executar o crime por mais de dois anos, até ter sucesso em 16 de junho de 2019, quando ele foi executado em casa com 30 tiros, a maioria na região da pélvis.

Apontado como extremamente controlador – o que teria motivado o crime, segundo as investigações –, o pastor não teria desconfiado do plano nem diante das diversas vezes em que teve de buscar atendimento médico por causa dos efeitos do veneno que a esposa e filhos colocavam em sua comida e bebida – também de acordo com a polícia.

A história

Até a morte de Anderson, as aparências indicavam que ia tudo muito bem para o casal. A eleição para a Câmara pelo PSD, com a quinta maior votação no Rio de Janeiro (196 mil votos), coroava uma carreira de sucesso na música gospel e como líder religiosa de sua própria igreja, o Ministério Flordelis.

Também pastor na congregação, Anderson não tinha o carisma da esposa, mas atuava nos bastidores para controlar tudo em volta dela.

Com sua morte, a aura em torno de Flordelis se desfez rapidamente.

Clientes de casa de swing

Muito unido na igreja e na vida pública, o casal se entregava aos prazeres da carne em casas de swing e até em uma parte privada da residência onde eram criadas as dezenas de filhos – segundo denúncias que vieram à tona nos últimos meses.

Em junho deste ano, o jornal Extra revelou o conteúdo do depoimento de uma ex-fiel da igreja fundada por Flordelis, que dizia ter acesso à intimidade do casal. A mulher contou à polícia, em setembro de 2019, durante as investigações, que os pastores eram frequentadores assíduos de uma casa de swing na Barra da Tijuca, no Rio, e que até seriam donos de uma espécie de cabine vip no local.

A depoente disse que soube disso em 2007 por meio de outra fiel, que também seria adepta da troca de casais e teria visto os pastores no local.

A mesma ex-fiel contou ainda que, numa ida à casa da família, viu Flordelis, Anderson, uma filha biológica da deputada e o marido dela saindo de um quarto, todos de toalhas brancas.

A filha é Simone Rodrigues, uma das presas, e o que apimenta o relato é o fato de Anderson, que era 16 anos mais novo que Flordelis, ter namorado a mulher antes de se casar com Flordelis, em 1994.

A Rede Globo do Rio de Janeiro noticiou que Anderson chegou a ser filho adotivo da “primeira geração” da família de Flordelis, mas isso não foi confirmado pelas autoridades. Segundo apuração do UOL, ele frequentava a casa, época em que chegou a namorar Simone, mas não chegou a ser adotado oficialmente por ela.

Os privilegiados

O que a investigação considera “primeira geração” são três filhos biológicos de Flordelis, três filhos da já citada Simone e os primeiros 5 adotados.

Esses e o casal, segundo a polícia, viviam como privilegiados no segundo andar da casa, com acesso a comida melhor, mais espaço e uma cozinha exclusiva. Os outros 47 filhos das gerações seguintes, a maioria resgatados das ruas, ficariam no pão sem manteiga e arroz com macarrão e salsicha.

O planejamento do crime

No total, são 11 denunciados no caso Flordelis – 10 membros da família e um ex-policial. Um dos filhos adotivos, Lucas Cezar dos Santos, foi preso pouco depois do assassinato do pastor, acusado de associação criminosa. Lucas teria facilitado a compra da arma usada no assassinato.

O filho biológico de Flordelis Flávio dos Santos Rodrigues é acusado de ser o autor dos disparos. Ele já estava preso. Na última terça (25/8), foram presos três filhos adotivos, dois filhos biológicos e uma neta de Flordelis, que estava no apartamento funcional da deputada em Brasília. Entre os filhos biológicos estão Simone, Flávio e Adriano dos Santos Rodrigues. Os adotivos presos são Marzy Teixeira da Silva, André Luiz de Oliveira e Carlos Ubiraci Francisco da Silva.

Além de responderem por homicídio triplamente qualificado, como os demais, Flordelis e Lucas ainda respondem por uso de documento falso, por tentarem, através de carta redigida pelo filho, mas ditada pela mãe, atribuir a autoria do crime a outras pessoas.

Os possíveis castigos

Flordelis não foi presa porque parlamentares só podem ser presos em flagrante ou após condenados. A Câmara poderá abrir processo de cassação de seu mandato, porém. Do PSD, seu partido, Flordelis já foi suspensa.

A defesa

Flordelis tem se mantido em silêncio desde que foi indiciada. Ela sempre negou participação no crime e também já negou ser adepta do swing, a troca de casais.

Seu advogado, Anderson Rollemberg, diz que a denúncia é fantasiosa. “Ao ver da defesa, não há elementos, mínimos que fossem, para ela receber esse tratamento de ser indiciada, denunciada, como mandante desse terrível crime”, disse Rollemberg, em registro da Agência Brasil.

“Pela leitura rápida que tivemos, os elementos que ali apontam a autoridade policial, ao ver da defesa, não são suficientes para que ela fosse denunciada, muito menos presa. Foi feita uma ginástica muito grande para colocar a deputada como mandante desse crime e também para prender os filhos”, declarou.

METROPOLES