Conectado por

Agronegócios

Rubens Barbosa: interesse do País está antes do ideológico no caso dos navios do Irã

Publicado por

em

Independentemente ter sido uma decisão política em não abastecer os navios do Irã, mesmo porque o presidente Jair Bolsonaro declarou que está alinhado aos Estados Unidos, e portanto apóia as sanções impostas àquele país, o governo poderia autorizar a Petrobras a encontrar uma alternativa técnica e prática. Por exemplo, que a venda de combustível seja triangulada com outra empresa que não possua negócios em solo americano.

Continua após a publicidade

A opinião é de Rubens Barbosa, ex-embaixador brasileiro em Washington, para quem a decisão de Donald Trump em barrar negócios de empresas globais com o Irã – “sim, unilateral” (sem amparo da ONU) -, é uma “política de quem pode mais”. E poderia afetar os negócios da Petrobras nos EUA.

“O governo, que não tem política internacional estratégica, e sim ideológica, tem que pensar agora nos interesses brasileiros e encontrar uma solução rápida”, diz Barbosa, que foi muito crítico da postura internacional dos governos do PT, por também ideologizarem as relações brasileiras com o mundo.

Ele não tem certeza sobre a viabilidade em a Petrobras vender petróleo a alguma distribuidora, que não tenha relação e nem negócios em território americano, para que esta abasteça os navios pertencentes ao Irã. “Mas acredito que escaparia ao cerco possível à Petrobras”, pensa.

Presidente do Instituto de Relações Internacionais e de Comércio Exterior (Irice) e também da Abitrigo (entidade da indústria do trigo), Barbosa fala que o maior interesse em jogo agora é em relação ao mercado comprador de milho iraniano, que se constituía cada vez mais uma das principais janelas para o cereal do Brasil. Os navios retidos nos portos do Sul, por exemplo, voltariam carregados com milho.

O superávit do Brasil é de US$ 1,5 bilhão.

Nesta quarta (24), o embaixador iraniano em Brasília advertiu para a possível retaliação e também ontem já se notou certo incômodo em várias esferas do agronegócio nacional, onde o apoio a Jair Bolsonaro foi de primeira hora.

“Talvez agora o governo possa se mexer”, diz Barbosa.

Ao olhar o agronegócio como o principal setor a sentir o impacto dessa política – lembrando ainda que as compras brasileiras de ureia agropecuária vinham crescendo e se constituía no insumo mais barato à disposição do Brasil hoje , como deu Money Times (22/07) – o embaixador mostra que a Europa também tem acatado a disposição do governo Trump sobre o país do Golfo.

Só que o Brasil não é a Europa, entendendo a alocação do diplomata experiente como mostrando a disparidade de forças favoráveis contra a potencial mão pesada de Trump.

Mas, para escapar de qualquer pressão do dólar como moeda de transação internacional, da “onde também vem o poder de imposição dos americanos”, os europeus estão estudando caminhos alternativos para receber os pagamentos dos negócios com os iranianos, “uma vez que a União Europeia tem comércio muito ativo com os iranianos”, recorda Barbosa.

Outro ponto destacado é sobre o quanto de probabilidade haveria em os Estados Unidos retaliarem a Petrobras caso desobedecesse a sanção determinada, à luz da aproximação ideológica que Bolsonaro está fazendo com os Estados Unidos.

“Não importa que o Brasil sempre tenha aceito adotar sanções sob a determinação da ONU”, segue Barbosa, e tampouco se pode arriscar que os Estados Unidos feche os olhos ao Brasil como prova de amizade.

O pragmatismo americano é maior que qualquer ‘progmatismo’.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *