Conectado por

Porto Velho

Rondônia amplia leitos de covid-19 com reabertura do Hospital de Campanha na zona Leste de Porto Velho


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

O Hospital de Campanha da zona Leste de Porto Velho, antigo Centro de Reabilitação de Rondônia (Cero), foi reativado  nesta quinta-feira (20). A medida visa a ampliação de leitos para atender pacientes acometidos pelo coronavírus, principalmente, após o Estado ter atingido uma alta taxa de ocupação de leitos por covid-19.

Na Capital, 90% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), estão ocupados e 55% dos leitos no interior estão sobrecarregados. A média estadual ficou em 65% de taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19.

No Cero ficarão os pacientes moderados, aqueles que precisam de internação, sem necessidade de intubação. Como forma de não sobrecarregar a unidade, o hospital anexo ao Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron) atenderá pacientes que precisam de UTI.

22 pacientes da enfermaria da extensão do Cemetron serão remanejados para a unidade, que terá 40 leitos clínicos disponíveis. Os 22 leitos da extensão serão transformados em leitos de UTI. A transferência deverá acontecer após a instalação de um novo gerador de energia na unidade.

Desta forma a taxa de ocupação deverá cair para 55%. A reativação da unidade hospitalar, bem como a contratação de profissionais de saúde já tinham sido anunciadas esta semana pelo Governo de Rondônia.

Unidade hospitalar ficou aberta por 72 dias com um trabalho intenso que envolveu 190 profissionais da Saúde

“Iremos reabrir o Cero para atender todos que necessitam de leitos. Mas precisamos da ajuda da população para quebrar o ciclo de transmissão do vírus; evitando aglomeração, utilizando máscaras e tomando todas as doses da vacinas”, enfatiza o gestor da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Fernando Máximo.

HOSPITAL DE CAMPANHA ZONA LESTE

No início da pandemia, o hospital prestou assistência médica para mais de 100 vidas, realizando um trabalho intenso para tratar todos os pacientes. Na época, 190 profissionais, sendo 28 médicos, 28 enfermeiros, 80 técnicos de enfermagem e demais profissionais de diversas áreas da Saúde foram contratados para atuar na linha de frente contra o coronavírus.

A unidade permaneceu aberta por exatamente 72 dias e o encerramento se deu com a queda de casos no Estado. Por medidas de precaução, a estrutura do Hospital de Campanha da zona Leste permaneceu preparada, com todos os equipamentos como: respiradores pulmonares, monitores multiparâmetros, bombas de infusão, raio-X digital, ultrassonografia portátil, gasometria arterial e outros equipamentos necessários para melhor assistência ao paciente.

 

Gentedeopiniao.com.br

Publicidade
Betfair

ALE-RO

ÓTICA DINIZ
Online Cassino


Desenvolvimento