Conectado por

Agronegócios

Produção de açúcar recua na 2ª metade de junho; moagem de cana também cai


Compartilhe:

Publicado por

em

Na segunda quinzena de junho, foram processadas 45,31 milhões de toneladas contra 47,71 milhões de toneladas apuradas no mesmo período da safra 2017/2018. Neste período, do total de cana esmagada, 37,67% teve como destino a fabricação de açúcar. Na safra anterior, o volume produzido foi de 50,52%, na mesma data de 2017.

Nos últimos quinze dias de junho de 2018, a produção de açúcar diminuiu 23,69%, atingindo 2,28 milhões de toneladas. Já a produção de etanol aumentou 30,44%, totalizando 2,35 bilhões de litros nesta safra contra 1,80 bilhão em igual período do ciclo 2017/2018.

A fabricação de etanol hidratado teve um crescimento expressivo, de acordo com o balanço. Foram produzidos 1,55 bilhão de litros, com crescimento de 60,18% em relação à produção quinzenal apurada no final de junho de 2017.

“Se as usinas não tivessem alterado o mix de produção, teríamos registrado até agora uma fabricação de açúcar de 2,6 milhões de toneladas, superior àquela efetivamente apurada”, esclarece Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica.

Desde o início da atual safra até o dia 30 de junho, a moagem alcançou 222,57 milhões de toneladas (crescimento de 11,60% na comparação com igual período do ciclo 2017/2018), com a fabricação de 9,75 milhões de toneladas de cana (- 12,10%), 3,29 bilhões de litros de etanol anidro (+ 2,06%) e 7,77 bilhões de litros de hidratado (+76,36%).

Qualidade da matéria-prima

Houve um crescimento de 7,78% na qualidade da matéria-prima processada na segunda quinzena de junho, mensurada a partir da concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR). O volume registrado foi de 140,06 kg por tonelada em 2018 contra 129,94 kg verificados na mesma quinzena do último ano.

“Os índices de qualidade verificados no final de junho deste ano só foram observados no início de agosto em anos anteriores. O clima seco favoreceu a concentração de açúcares na planta, mas deve prejudicar substancialmente o rendimento agrícola da lavoura a ser colhida nos próximos meses”, enfatiza Padua.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *