Conectado por

Mato Grosso

Polícia começa a escavar casa para buscar restos mortais de mulher morta pelo marido há 24 anos em MT; filhos acompanham


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

A escavação para buscar os restos mortais de Luzinete Leal Militão, que foi morta pelo marido há 24 anos, começou a ser feita na manhã desta sexta-feira (2) em Sinop, a 503 km de Cuiabá.

Jairo Narciso da Silva, de 64 anos, procurou a polícia na terça-feira (30), para contar que havia matado a mulher, por ciúmes, em outubro de 1994. A Justiça autorizou que seja realizada a escavação em busca dos restos mortais.

Filha (aos fundos: de óculos escuro abraçada ao rapaz) e filho (de rosa falando ao celular) da vítima acompanham a escavação em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Filha (aos fundos: de óculos escuro abraçada ao rapaz) e filho (de rosa falando ao celular) da vítima acompanham a escavação em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

A operação é feita por policiais da Delegacia de Homicídios de Sinop, Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e funcionários do cemitério da cidade. Três funcionários do cemitério farão as escavações.

Jairo Narciso da Silva (de branco), de 64 anos, chegou escoltado por policiais para acompanhar a escavação dos restos mortais da mulher dele em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Jairo Narciso da Silva (de branco), de 64 anos, chegou escoltado por policiais para acompanhar a escavação dos restos mortais da mulher dele em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Os dois filhos da vítima acompanham os policiais. Muito abalados com o caso, eles não quiseram falar com a imprensa. Eles só ficaram sabendo do homicídio essa semana e, até então, acreditavam que a mãe havia abandonado a família, conforme Jairo alegava.

Entulho retirado do local começou a ser colocado na frente da casa, em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Entulho retirado do local começou a ser colocado na frente da casa, em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Duas irmãs da vítima entraram na casa e acompanham de perto o trabalho da polícia.

Do lado de fora, a escavação é observada por moradores, jornalistas e curiosos. A casa fica na Avenida das Itaúbas, no Bairro Jardim das Palmeiras.

Jairo chegou escoltado por policiais e indicou o local onde enterrou o corpo de Luzinete.

Policiais, imprensa e funcionários do cemitério estão na casa onde será feita a escavação em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

Policiais, imprensa e funcionários do cemitério estão na casa onde será feita a escavação em Sinop — Foto: Poliana Mazzo/TV Centro América

À época, a vítima tinha um filho de 10 anos de um relacionamento anterior, e um segundo filho de 8 anos, fruto do casamento com o suspeito.

Algum tempo depois do crime, Jairo vendeu a casa. Por essa razão, a polícia aguardava uma decisão da Justiça para escavar o local indicado pelo suspeito, em busca dos restos mortais da vítima.

Luzinete Leal Militão de 28 anos, foi morta pelo marido em 1994 em Sinop — Foto: Arquivo pessoal

Luzinete Leal Militão de 28 anos, foi morta pelo marido em 1994 em Sinop — Foto: Arquivo pessoal

Os atuais donos da casa moram fora do país. As pessoas que alugavam a casa deixaram o local na quinta-feira (1º) assim que souberam que a residência era o local de um crime.

Jairo trabalha em um sítio, na Gleba Mercedes, em Sinop, e chegou acompanhado da atual mulher.

O crime

Jairo disse ter matado a mulher no quarto do casal, enquanto ela dormia. Ele disse que usou uma barra de ferro para golpeá-la na cabeça. Entretanto, ao perceber que ela não havia morrido, ele a asfixiou.

Boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da mulher, registrado na época do crime — Foto: GC notícias

Boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da mulher, registrado na época do crime — Foto: GC notícias

Depois, pegou o corpo de enterrou no banheiro que estava em construção, junto com os documentos pessoais da vítima.

Logo após o crime, o suspeito registrou um boletim de ocorrência para comunicar o desaparecimento da mulher. No documento ele alegou abandono do lar.

Na época, os registros eram feitos à mão e, como ainda não havia um campo para ‘comunicante’, o suspeito é identificado como vítima. No caso, seria vítima de abandono.

Depois que Jairo confessou o assassinato, o delegado conseguiu falar, por telefone, com as irmãs de Luzinete, que moram em uma cidade vizinha, mas elas não prestaram depoimento ainda. Os filhos só ficaram sabendo do homicídio essa semana.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento