Conectado por

Acre

Pessoas de 48 a 49 anos sem comorbidades começam a se vacinar contra Covid em Cruzeiro do Sul


Compartilhe:

Publicado por

em

A segunda maior cidade do Acre avança no processo de imunização da população contra a Covid-19. Nesta segunda-feira (14), Cruzeiro do Sul começa a vacinar as pessoas sem comorbidades com idade entre 48 e 49 anos.

A imunização desse grupo é feita em 12 pontos, das 9h às 12h30 e das 15h às 18h30. No ato da vacinação, é preciso apresentar a carteira de vacinação e a cópia do CPF, carteira de identidade, cartão do SUS e comprovante de residência.

A Saúde continua aplicando a segunda dose do imunizante em ponto fixo, das 8h às 13h, numa tenda montada ao lado do Teatro dos Náuas.

Locais de vacinação

  • UBS 25 de Agosto
  • UBS São Francisco Souza dos Santos – Centro
  • UBS Jesuíno Lins – Bairro Alumínio
  • UBS Celso Lima Verde – Bairro Remanso
  • UBS Francisco Ary da Silveira – Bairro Cruzeirão
  • UBS Professora Quita – Bairro São José
  • UBS Adalberto Sena – Bairro Aeroporto Velho
  • UBS Abel Pinheiro – Bairro Formoso
  • UBS Néstor Soares de Vasconcelos – Bairro Cohab
  • UBS Geosete Coelho Mariano – Bairro Cruzeirinho
  • UBS Pastor João Brás – Bairro João Alves
  • UBS José Matheus – Bairro Miritizal

 

Conforme calendário divulgado pela prefeitura, na terça-feira (15), feriado dos 59 anos de Aniversário do Estado do Acre, não haverá vacinação.

Já na próxima quarta (16), a imunização segue sendo feita para o grupo em geral com idade entre 46 e 47 anos, decrescendo a idade por dia, até chegar às pessoas entre 40 e 41 anos no sábado (19).

Vacinação no Acre

De acordo com informações do portal de transparência do governo, o Acre recebeu 341.300 doses de vacinas e foram aplicadas 220.516 até esse sábado (12), data da última atualização, sendo 156.828 da primeira dose e 63.688 da segunda. Rio Branco aplicou 101.932 doses e Cruzeiro do Sul 25.653.

Segundo o governo, o número de doses aplicadas que consta no portal refere-se aos dados já inseridos no sistema do Ministério da Saúde, cujas atualizações são realizadas pelos municípios. Por isso, pode haver atraso nas informações.

G1.globo.com