Conectado por

Rondônia

Pai espancado ao defender educadora de ex-marido ainda não sabe da morte da filha, em RO

Publicado por

em

O pai da educadora Joselita Félix, morta a pauladas pelo ex-marido no domingo (17), ainda não sabe da morte da filha. Francisco Félix da Silva, de 75 anos, também foi espancado pelo suspeito ao tentar defender a filha das pauladas. O idoso segue internado no Hospital João Paulo II em Porto Velho.

Segundo divulgou a unidade hospitalar nesta segunda-feira (18), o idoso de 75 anos está internado em quadro estável e é monitorado, cuidadosamente, pela equipe médica. Por causa do ataque sofrido, Francisco tem ferimentos nas mãos, cabeça e braços.

Francisco respira sem ajuda de aparelhos e a todo momento pergunta como está a filha, de 47 anos. Segundo o hospital, o pai ainda não foi comunicado sobre a morte de Joselita.

Joselita foi morta pelo ex-marido no domingo, após ter a casa invadida pelo suspeito em Candeias do Jamari.

Joselita Felix em sala de aula — Foto: Facebook/Reprodução

Joselita Felix em sala de aula — Foto: Facebook/Reprodução

O pai da educadora, Francisco Félix, estava em casa e presenciou o ataque. O idoso tentou salvar a filha e segurar o suspeito, mas também foi atacado a pauladas. Joselita não resistiu aos ferimentos na cabeça e morreu minutos depois.

Homenagens

Uma aluna postou, no domingo, que a educadora sempre motivou os alunos a estudarem. “Nos acompanhou, nos viu crescer. Nos estimulava a estudar. Às vezes umas brigas, uns puxões de orelha, mas muita alegria, aprendizado e comilança”, relembra.

Nesta segunda-feira, o prefeito Hildon Chaves (PSDB), de Porto Velho, divulgou nota lamentando a morte da servidora pública.

Trajetória

Aos 47 anos, Joselita era servidora municipal de Porto Velho, mas atualmente morava em Candeias do Jamari para cuidar dos pais, um casal de idosos.

Joselita Félix era graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Rondônia desde 1992 e também tinha bacharel em Direito pela Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia (2007).