Conectado por

Saúde

Ovulação tardia: o que é, causas e diagnóstico


Compartilhe:

Publicado por

em

É considerada uma ovulação tardia aquela que ocorre depois do período esperado.

A ovulação acontece quando o óvulo é liberado pelo ovário mensalmente, deixando o gameta feminino disponível na tuba uterina para poder ser fecundado por um espermatozóide, gerar um embrião e proporcionar a gravidez.

Segundo a ginecologista e obstetra Ana Paula Aquino, para entender o que é ovulação tardia, é importante lembrar que, quando se tem o ciclo menstrual regulado, de 28 dias, a ovulação costuma ocorrer entre o 14° e 16° dias, ou seja, mais ou menos 14 dias antes da próxima menstruação.

A fase pós-ovulação (fase lútea), costuma ser fixa em 14 dias. Dessa forma, uma ovulação tardia aumenta os dias da fase pré-ovulatória.

Menstruação atrasada pode ser ovulação tardia

A ovulação tardia atrasa a menstruação, levando-a a demorar mais tempo do que o normal para acontecer.

“Em um ciclo de 35 dias, a ovulação ocorrerá no 21º dia do ciclo, já que a fase lútea é fixa em 14 dias após a ovulação”, exemplifica a ginecologista Ana Paula Aquino, que também é especialista em reprodução assistida da Huntington Medicina Reprodutiva.

Ovulação tardia pode dificultar gravidez?

A ovulação tardia não compromete a fertilidade feminina a ponto de impedi-la de engravidar. O que acontece, na verdade, é que esse fator pode dificultar a gravidez de uma mulher tentante.

Isso porque, como o ciclo menstrual é irregular com a ovulação tardia, acaba ficando mais complicado para a mulher saber quando é o seu período fértil ou quando ocorrerá a ovulação.

Causas

A principal causa de ovulação tardia é o desequilíbrio hormonal, podendo ser temporário ou a longo prazo, dependendo da causa. De acordo com a ginecologista e obstetra Karina Tafner, alguns fatores que podem levar a um desequilíbrio hormonal incluem:

  • Estresse
  • Síndrome dos ovários policísticos (SOP)
  • Doença da tireoide
  • Hiperprolactinemia (aumento no nível de prolactina)
  • Medicamentos (como uso prolongado de anti-inflamatórios não esteróides e antipsicóticos)
  • Amamentação
  • Uso de drogas ilícitas (como maconha e cocaína).

Sintomas

Mulheres com ovulação tardia não apresentam sintomas específicos. No entanto, existem sinais que podem indicar quando a ovulação está acontecendo.

“Eles podem ser percebidos pela pessoa, como um aumento e alteração do muco cervical, que fica mais transparente e elástico, parecido a clara de ovo; ligeiro aumento da temperatura corporal e uma pequena dor abdominal de um dos lados”, ressalta a ginecologista Ana Paula Aquino.

No caso de mulheres que ovulam mais tardiamente, esses sinais da ovulação citados pela especialista são percebidos mais tarde no ciclo do que o esperado.

Diagnóstico

Para que a mulher consiga identificar se está ovulando tardiamente, ela precisa monitorar pelo menos três ciclos seguidos que demonstram o atraso na ovulação.

“Exames seriados de ultrassom transvaginal para monitorização do crescimento folicular podem informar em qual dia a ovulação está ocorrendo. As avaliações hormonais também podem auxiliar tanto no diagnóstico quanto na causa da ovulação tardia”, indica a ginecologista Karina Tafner, especialista em Reprodução Assistida pela FEBRASGO.

Além disso, a ginecologista Ana Paula Aquino ressalta que a ovulação tardia não é uma doença, ou seja, a mulher pode ter em qualquer momento da vida e pode ser passageiro. Por isso, o ideal é fazer um acompanhamento com um(a) ginecologista.

Tratamentos

O tratamento da ovulação tardia consiste em tratar a patologia que esteja causando este quadro. A síndrome dos ovários policísticos e a hiperprolactinemia, por exemplo, devem ser tratadas junto ao médico para que, consequentemente, melhore o quadro de ovulação tardia.

Além disso, a mudança para hábitos saudáveis é essencial neste momento, como praticar exercícios físicos e mudar a alimentação, a fim de equilibrar os níveis hormonais e melhorar as chances de uma gravidez saudável.

Minha Vida