Conectado por

Featured

O que é a síndrome do ombro do nadador?


Compartilhe:

Publicado por

em

O ombro é uma articulação esferoide que se encaixa num recipiente adequado, com uma borda de cartilagem que circunda o soquete para torná-lo mais profundo e mais estável. Cercando a articulação há uma cápsula articular, constituída por um material fibroso, com partes mais grossas formando ligamentos. Um certo número de músculos e tendões se dispõem ao redor dessa articulação.

Os músculos que mais afetam a estabilidade da articulação são chamados de manguito rotador. O “manguito” é composto por quatro músculos que trabalham juntos para ajudar a manter o ombro centrado na cavidade e que ajudam a fazer os movimentos próprios a essa articulação. O “ombro do nadador” é um termo geral usado para descrever uma lesão no ombro por excesso de uso, ocorrendo principalmente (mas não só) em nadadores. Ele é uma irritação crônica dos tecidos moles do ombro, como tendões, músculos e ligamentos.

Quais são as causas da síndrome do ombro do nadador?

As causas específicas serão uma em cada caso, mas geralmente estão relacionadas a um desequilíbrio muscular da articulação. Na natação, os músculos rotadores internos são usados na fase de tração do nado livre, enquanto os rotadores externos são usados na fase de recuperação. O problema pode estar em qualquer um dos grupos, embora mais comumente esteja nos rotadores externos, mais fracos. Algumas condições que podem causar impacto e dor no ombro são:

  1. Rotação insuficiente do corpo no nado crawl e mais ainda no nado costas.
  2. Músculos peitorais superdesenvolvidos e músculos romboides subdesenvolvidos, levando a uma instabilidade do ombro.
  3. Músculos fracos do manguito rotador.
  4. Adução excessiva na fase de “puxada”.
  5. Músculos rotadores internos e adutores não suficientemente fortes.
  6. Excesso de treinamento com pouco tempo de recuperação.
  7. Mau posicionamento do braço oposto ao lado de respiração.

Qual é o mecanismo fisiológico da síndrome do ombro do nadador?

O manguito rotador, formado pelos músculos supra-espinhal, infra-espinhal, redondo menor e subescapular, tem como uma das suas funções principais a estabilização do ombro e o auxílio na dinâmica escapulo-umeral. A ativação do manguito rotador é essencial em movimentos amplos como elevação do braço acima da altura da cabeça, comum na natação e em esportes que envolvem arremessos ou saques, como tênis, lançamento de peso ou de dardos, etc.

Quando estes movimentos são realizados de forma repetitiva, causando fadiga muscular, ou com técnica inadequada, podem ocasionar lesões como tendinites, bursite, subluxação anterior da cabeça do úmero e lesão da borda glenoidal. Entretanto, a lesão mais comum em trabalhadores ou atletas que utilizam muito o movimento de flexão ou abdução de ombro juntamente com rotação medial é a síndrome do choque do manguito rotador. Por ser um movimento frequente na natação, a síndrome também é conhecida como “ombro do nadador”, porque acomete cerca de 50% dos nadadores profissionais. Estes casos envolvem dor e hipersensibilidade da região do ombro, que pioram com a rotação do mesmo.

Quais são as principais características clínicas da síndrome do ombro do nadador?

Os sintomas do “ombro do nadador” irão variar de acordo com a causa. No entanto, existem algumas tendências gerais. No nadador, a dor normalmente é pior no nado de costas, e menos intensa durante o nado peito. A dor pode ocorrer em qualquer fase do estilo livre e, dependendo de quando ocorrer, o diagnóstico será diferente: se a dor piorar durante a fase de recuperação, deve-se pensar no envolvimento do manguito rotador; se a dor piorar durante a puxada inicial, o tendão do bíceps pode estar mais envolvido.

Dormir no lado envolvido agrava a dor. Quando o problema é bastante avançado, o nadador também sentirá dor no ombro mesmo quando não estiver nadando e o ombro ficará progressivamente mais sensível ao toque.

Como o médico diagnostica a síndrome do ombro do nadador?

A síndrome do ombro do nadador nem sempre é um diagnóstico exato. Para obter um diagnóstico preciso sobre quais músculos e tendões estão envolvidos, o paciente deve procurar ajuda profissional de um especialista em medicina esportiva. O examinador deve obter uma história detalhada e deve entender a mecânica da natação ou de outros exercícios, se for o caso. O exame inclui pelo menos uma avaliação de todos os movimentos do ombro, com e sem resistência. Radiografias geralmente não são necessárias.

Como o médico trata a síndrome do ombro do nadador?

Um diagnóstico adequado, identificando os músculos e tendões envolvidos e o estágio do problema é essencial para um tratamento mais apropriado. O plano de tratamento deve incluir:

  1. Reduzir a inflamação e aplicar gelo no ombro por 20 minutos após o treinamento.
  2. Usar anti-inflamatórios apenas nos primeiros dias, já que o uso crônico de anti-inflamatórios pode afetar o estômago, os rins e o fígado.
  3. Dependendo da gravidade, pode ser necessário repouso total.
  4. Cuidados passivos por um profissional podem incluir ultrassom terapêutico, corrente interferencial, massagem de atrito cruzado aos tendões, trabalho do ponto gatilho, relaxamento pós-isométrico dos músculos envolvidos, ajustes do ombro e/ou pescoço.
  5. Exercícios de reabilitação para fortalecer os músculos fracos (geralmente os rotadores externos dos ombros).
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *