Conectado por
Governo de Rondônia

Acre

No Acre, laboratório reúne mais de 6 mil fósseis de animais que viveram entre 5 e 8 milhões de anos na Amazônia

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Local está aberto para visitação e traz uma pequena amostra da vida pré-histórica na região Amazônica. Laboratório completou 35 anos de criação em 2018.

Laboratório de Paleontologia da Universidade Federal do Acre (Ufac) completou 35 anos em 2018 e possui um acervo com mais de 6 mil peças de fósseis de animais que viveram entre 5 e 8 milhões de anos na região amazônica. Entre as peças mais famosas estão o crânio de um Purussauro – um réptil pré-histórico – e o fóssil de um Jabuti Gigante.

O professor Jonas Filho, curador do espaço, afirma que o laboratório dá aos visitantes uma pequena amostra da fauna que viveu na Floresta Amazônica. Segundo ele, os fósseis mostram que esses animais não existem mais na natureza devido a um processo natural de extinção que ocorreu há 8 e 11 milhões de anos atrás, assim como outras extinções que devem ocorrer no futuro.

“O que a gente deixa bem claro e quer mostrar é que a extinção ocorre naturalmente, mas também pode ter interferência humana. E hoje, como há um processo de degradação da floresta, caça ilegal dos animais da floresta, nós humanos podemos estar acelerando uma extinção que por si só já aconteceria”, explica.

 Jabuti Gigante é uma dos fósseis que podem ser encontrado em laboratório na Ufac (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Jabuti Gigante é uma dos fósseis que podem ser encontrado em laboratório na Ufac (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

O local é aberto para visitação durante o horário de expediente da Ufac. Além disso, escolas que quiserem levar alunos podem fazer um agendamento de visita.

“A gente tem feito um trabalho de divulgação tanto com a produção de artigos científicos quanto com as visitações que esse laboratório propicia para alunos e turistas. Milhares de pessoas anualmente frequentam esse laboratório que, apesar de sua modéstia, tem um comprometimento muito grande com a ciência e a mostragem da nossa pré-história”, afirma o professor.

 Crânio de um Purussauro – um réptil pré-histórico – está em exposição em laboratório (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Crânio de um Purussauro – um réptil pré-histórico – está em exposição em laboratório (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Laboratório de Paleontologia da Ufac

Oficializado em 13 de maio de 1983, o Laboratório de Pesquisas Paleontológicas foi criado a partir das pesquisas na área que aconteciam desde o final da década de 70, realizadas pelo professor Alceu Ranzi.

O local é divido em três espaços. Quando um fóssil chega das pesquisas nos sítios palentológicos é levado para o primeiro espaço. Nele, é feita a recuperação dos fósseis que foram danificados, a identificação e a datação do material.

No local, também ficam guardados os materiais usados na pesquisa de campo, como barracas, redes, instrumentos de pesquisa, panelas, entre outros. Depois da recuperação e identificação, os fosseis são armazenados no segundo espaço.

O último espaço que faz parte do laboratório é a sala de exposição, onde ficam as peças mais interessantes da coleção.

 Jonas Filho é curador da exposição e diz que milhares de pessoas frequentam o local anualmente (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Jonas Filho é curador da exposição e diz que milhares de pessoas frequentam o local anualmente (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)