Conectado por

Mato Grosso

MT anuncia que está na 3ª onda de Covid e prevê falta de UTIs em 15 dias


Compartilhe:

Publicado por

em

O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, admitiu na manhã desta quinta-feira (20), em entrevista à Rádio Capital FM, que Mato Grosso já vive a “terceira onda” da Covid-19. Segundo ele, o reflexo no sistema de saúde do Estado deve começar a aparecer em 15 dias.

Gilberto explicou que o Estado já se prepara para enfrentar uma nova situação caótica como vivenciada em março de 2020 e 2021. “Acho que nós já estamos nela. Porque, o que é uma onda? É quando você tem um período de declínio substancial e depois o declínio termina e começa nascer uma nova onda. Então, isso já começa a aparecer. Já temos novas variantes circulando. Em alguns municípios a gente já sente um crescimento substancial. Provavelmente, nós temos uma onda nova a ser administrada daqui pra frente”, afirmou.

Segundo o secretário, o Estado já tem mudado alguns planos, tendo em vista o aumento de casos confirmados do novo coronavírus. Um deles diz respeito ao Centro de Triagem, localizado na Arena Pantanal.

O governador Mauro Mendes (DEM) estava avaliando fechar a estrutura por conta do início do Campeonato Brasileiro da série A e pela queda na demanda no mês de abril. Porém, Figueiredo afirma que, nos últimos dias, houve o crescimento na procura por atendimento e que já não há data fechamento do local.

“Infelizmente, nos últimos dias nós já estamos experimentando o crescimento do atendimento novamente lá no Centro de Triagem. Então, não temos data definida para interromper os atendimentos lá”, disse.

TUDO ABERTO

Outro motivo de preocupação para o Governo se dá no fato de que oito variantes do vírus estão em circulação no Estado. “Está muito relacionado ao comportamento da população. Nós tivemos uma série de episódios, principalmente, o Dia das Mães, a flexibilização praticamente total nos municípios das atividades que estavam tendo uma certa restrição e isso aumenta a circulação do vírus e de suas variantes. Nós já tivemos em situações mais confortáveis em relação a isso”, comentou.

Figueiredo já teme uma nova superlotação dos hospitais públicos e privados. Segundo ele, os reflexos devem ser sentidos em duas semanas.

“Os efeitos de crescimento nesses números de casos que começa a se apresentar agora, nós vamos perceber na hospitalização daqui uns 15, 20 dias. Então, nós precisamos todos os dias fazer uma análise e acompanhar isso. Nacionalmente, temos um declínio, mas precisamos estar preparados, caso efetivamente uma terceira onda venha com uma densidade muito grande no número de casos. Tem uma série de condicionantes que afetam esse comportamento, principalmente, a população que já está se comportando como se a pandemia tivesse acabado”, alertou.

Atualmente, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 77,25% para UTIs adulto e em 36% para enfermarias adulto. Figueiredo explica que por mais que sejam abertos novos leitos, ainda corre o risco de serem insuficientes, caso a terceira onda seja muito grave.

“Nós não paramos nem um minuto de trabalhar na abertura de novos leitos de UTI. Nós temos hoje 608 leitos de UTI exclusivas para Covid no estado de Mato Grosso. Nós temos leitos de enfermaria em números substanciais, um total de 932 leitos foram criados. Mas, todos acompanham a dificuldade que é você intensificar a abertura de leitos de UTI, um conjunto acaba demandando cerca de 60 profissionais. Por mais que nos esforçamos na abertura de novos leitos, isso pode ser insuficiente caso a onda seja muito grave. Na segunda onda nós chegamos a ter 200 pacientes aguardando por leitos de UTI”, lembrou.

Folhamax.com