Conectado por

Justiça

MP vai investigar padre de MT por suposta apologia ao estupro

Publicado por

em

O Ministério Público do Estado (MPE) instaurou um procedimento para apurar suposto incentivo a crime sexual em comentário do padre Ramiro José Perotto, da Paróquia São Paulo Apóstolo, em Carlinda (760 km de Cuiabá) sobre a garota de 10 anos que foi estuprada e engravidou em Pernambuco. 

Continua após a publicidade

A investigação foi aberta pela promotora de Justiça, Laís Resende, de Alta Floresta (800 km de Cuiabá). Conforme o MP, o padre será investigado criminalmente por indícios de “apologia ao estupro” por dizer que a vítima “compactou” com os episódios de abuso sexual. 

“Houve remessa de ofício à igreja para que informe as providências administrativas de apuração da conduta do pároco. Também requisitei instauração de procedimento investigativo criminal, para averiguar possível cometimento de crime de apologia ao estupro, na modalidade de incentivo”, disse a promotora. 

O padre comentou em post no Facebook que a garota teria consentido com o estupro. Ele questionou o silêncio da criança sobre os episódios do crime por “quatro anos”. 

“Duvido uma menina ser abusada com 6 anos por 4 anos e não falar. Aposto minha cara. Ela compactuou com tudo e agora a menina é inocente. Gosta de dar então assuma as consequências”. 

O caso aconteceu no Espírito Santo e veio à tona após a menina de 10 anos engravidar do tio. Ele foi preso em Betim (MG) na terça-feira (18). O crime ocorria desde há quatro. A Justiça autorizou o procedimento de aborto. 

Fonte:Olivre