Conectado por

Mato Grosso

Ministra Damares diz em videoconferência que vai ajudar no combate à Covid-19 nas aldeias em MT

Publicado por

em

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou, durante videoconferência realizada nessa terça-feira (30), que vai atuar no Comitê Nacional de Articulação das Ações de Enfrentamento ao novo coronavírus nas aldeias indígenas Xavante em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá.

Continua após a publicidade

O prefeito Roberto Farias e o senador Wellington Fagundes também participaram da reunião para definição de ações de combate a proliferação dos casos de Covid-19 na região.

Últimas notícias sobre o novo coronavírus em MT
Na videoconferência, o prefeito informou à Damares que a saúde do município está em colapso, pois a cidade é referência para casos de média e alta complexidade e atende a uma população de 400 mil pessoas, incluindo os moradores de alguns municípios de Goiás que fazem divisa com Mato Grosso.

A ministra Damares disse ainda que vai levar ao presidente Bolsonaro e ao Comitê as sugestões feitas pelo senador Wellington Fagundes e pelo prefeito de implantação de barreiras sanitárias, da criação de um hospital de campanha com 20 leitos e a presença do Exército para evitar o deslocamento dos indígenas, a entrada de brancos nas terras e se for necessário, até o lockdown (isolamento total) nas aldeias.

De acordo com a prefeitura, Roberto Farias já tinha solicitado em outra reunião virtual, o apoio da bancada federal do estado.

A prefeitura de Barra do Garças informou que, até essa terça-feira, 98% dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) estão ocupados.

Segundo o prefeito, a taxa de ocupação aumentou após o alto índice de casos de indígenas contaminados coronavírus que procuraram atendimentos na cidade.

De acordo com a prefeitura, somente nessa terça-feira, foram três óbitos de indígenas e pelo menos 20 leitos de enfermarias ocupados por casos menos graves.

Na região de Barra do Garças existem pelo menos 22 mil indígenas que buscam tratamento de saúde na cidade pelo fato de ser o principal polo do leste de Mato Grosso.

G1