Conectado por

Agronegócios

Milho apresenta resultados misturados na manhã dessa sexta-feira em Chicago


Compartilhe:

Publicado por

em

Os preços futuros do milho internacional iniciam a sexta-feira (15) com resultados misturados e próximos da estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam variações entre 0,75 pontos negativos e 0,25 pontos positivos por volta das 09 horas (horário de Brasília). O vencimento março/19 era cotado a US$ 3,70, o maio/19 valia US$ 3,79 e o julho/19 era negociado por US$ 3,85.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, os preços do milho estão estreitamente misturados nesta manhã após o comércio bilateral em uma faixa de menos de três centavos durante a noite. Embora permaneçam questões sobre a demanda de safras antigas, um início lento para o trabalho de campo da primavera fez com que os comerciantes reformulassem as estimativas de área plantada.

Confira como fechou o mercado na última quinta-feira:

Preços futuros do milho se mantêm fortes em Chicago nessa quinta-feira

A Bolsa de Chicago (CBOT) encerrou as atividades dessa quinta-feira (14) com os preços internacionais do milho futuro registrando altas. As principais cotações apresentaram movimentos de valorização entre 2,75 e 4,25 pontos. O vencimento março/19 foi cotado a US$ 3,61, o maio/19 valeu US$ 3,70 e o julho/19 foi negociado por US$ 3,79.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho subiram por uma terceira sessão consecutiva e algumas questões estão começando a ser questionadas sobre possíveis atrasos no plantio no final deste ano.

Os preços do milho subiram cerca de 1% na quinta-feira, depois que relatos de enchentes significativas em partes do centro-oeste dos Estados Unidos motivaram algumas discussões sobre se os atrasos no plantio serão problemáticos nesta primavera.

Um ritmo lento das vendas de produtos agrícolas manteve as ofertas de base de milho firmes na região central dos EUA na quinta-feira, com vários locais entre 1 e 6 centavos hoje.

A Agência Reuters completa ainda dizendo que existem “preocupações de que solos frios e campos lamacentos poderiam dificultar os esforços de plantio precoce dos agricultores. O clima também pode limitar a capacidade dos produtores de adicionar o fertilizante tão necessário aos campos de milho antes do plantio”.

Ainda nessa quinta-feira o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou seu relatório semanal de vendas e exportações apontando que os americanos venderam 372 mil toneladas de milho da safra velha na última semana, bem abaixo do intervalo esperado pelo mercado de 800 mil a 1,2 milhão de toneladas.

Mercado Interno

Já no mercado interno, os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as desvalorizações apareceram somente nas praça de Dourados/MS, Pato Branco/PR, Ubiratã/PR, Londrina/SP, Ponta Grossa/PR, Cascavel/PR, Assis/SP e Sorriso/MT.

Valorização nos preços aparecerem apenas em Brasília/DF ao longo do dia.

De acordo com a XP Investimentos o mercado de milho continua pressionado. Como vem sendo reportado, Indústrias e Granjas seguem ignorando o mercado local e forçando preços menores. Estes estão bem estocados e mudaram o fluxo para o tributado, cujos lotes de MG e MS voltaram a chegar com tranquilidade.

Assim, os testes de preço no diferido passam a ser frequentes. Intermediários e Silos, assim como produtores, tentam regular as ofertas de diferido, embora a estratégia ainda não tenha surtido efeito.

A boa evolução das colheitas em lavouras locais (SP) e dos plantios de Inverno no Sul e Centro-Oeste projetam uma boa disponibilidade futura.

Já a Agrifatto Consultoria indica também que a Conab reforça a renovação dos estoques para acomodação dos preços. Especialmente no MT, MS e GO (onde os custos com transporte são mais altos).