Conectado por

Mato Grosso

“Me sinto aliviada” diz Janaina Riva ao comemorar o 3º mês de gravidez e relata momentos difíceis


Compartilhe:

Publicado por

em

Foto arquivo

A deputada estadual Janaina Riva (MDB) comemorou, nesta quinta-feira (27), as 12 semanas da gravidez de seu terceiro filho, que vai se chamar Diogenes Júnior.

Janaina – que estava gravida de gêmeos e chegou a perder um dos bebês – revelou que hoje, após terminada a fase de risco, se sente à vontade para contar sobre as duas inseminações artificiais que realizou após a perda de um bebê.

“Foram meses preparando meu corpo para receber os bebês e quando nós achávamos que não, aparecia mais um obstáculo. […] [Após a primeira inseminação] enquanto eu trabalhava senti um mal-estar. À tarde eu tive muito sangramento e na ida a clínica, descobri que tinha perdido um dos bebês, horas depois, perdi o segundo. É muito triste”, revelou a parlamentar.

A parlamentar contou que chegou a viver momentos de “instabilidade” devido à angústia que as tentativas frustradas ocasionavam.
“Dessa vez, decidimos fazer o repouso integral e mudamos com Dr. Kotecki radicalmente a quantidade das medicações. Mais dois embriões implantados, um início difícil com cólicas e sangramentos. Perdemos um dos bebês na 6ª semana e hoje temos nosso bebê forte com 12 semanas. Três meses de dedicação exclusiva à nossa gravidez, já me sinto mais aliviada”, disse.
( Midia News)

Veja publicação na íntegra:

Boa tarde!! Chegamos ao tão esperado 3º mês!! Que alegria é saber que nosso bebê está bem e saudável depois da nossa translucência nucal ( Obrigada Dr. @rogerio_caixeta equipe da @espacopiuvita ). Hoje me sinto mais a vontade para falar sobre essas primeiras 12 semanas. Primeiro, tenho que agradecer ao querido Dr. José Aldair Kotecki da clínica @lifereproducaohumana , que esteve conosco desde o início no nosso “projeto bebê” . Agradecer a paciência, o carinho e a equipe super eficiente e prestativa que nos conduziu até o dia de hoje. Não é fácil pra alguns casais optarem pela fertilização. Para mim e para meu marido foi ao contrário. Logo que notamos a dificuldade depois do meu primeiro aborto, já começamos a pensar nessa possibilidade. A frustração dos testes negativos ou de quando a menstruação aparecia, só trazia mais angústia e estresse pra nossa relação. Minha ânsia maior era fazer com que minha gravidez não comprometesse minha vida profissional. Todo mundo sabe que gravidez não é doença, mas implica em várias limitações. Pra uma mulher política, onde se tem eleição de 2 em 2 anos, fazer com que as datas não se choquem é uma tarefa quase impossível. A FIV pra gente foi uma libertação em meio a tudo isso. Vi a possibilidade de num formato programado, realizar nosso desejo de ter mais um bebê. Acontece que nem tudo sai como esperado. Foram meses preparando meu corpo pra receber os bebês e quando nós achávamos que não, aparecia mais um obstáculo. Chegando o tão sonhado dia da TEC (transferência de embriões congelados), foi tudo perfeito! Dois embriões colocados, esperamos os 10 angustiantes dias e fizemos o exame de sangue. Positivo! Cinco dias depois na véspera do nosso ultrassom, enquanto eu trabalhava (estava liberada pra isso e segundo as pesquisas não faz diferença o repouso nesse início) senti um mal estar. A tarde eu tive muito sangramento e na ida a clínica, descobri que tinha perdido um dos bebês, horas depois, perdi o segundo. É muito triste, porém pode acontecer. Não posso dizer que estava preparada pra isso, mas enfrentei como se estivesse. Nos preparamos por mais dois meses e conseguimos fazer a segunda TEC. Continua nos comentários ??

Uma publicação compartilhada por Janaina Riva Fagundes (@janainariva) em