Conectado por
Governo de Rondônia

Featured

Mato Grosso é feudo da familiocracia

Publicado por

em


Continua após a publicidade

Candidatos filiados a diversos partidos e carregando sobrenomes de tradição política disputam voto para deputado estadual e federal, suplente e senador, e vice-governador.

Familiocracia é uma tradição política, que como o próprio nome sugere passa de geração pra geração, em ambos os sentidos. Nas eleições deste ano, 20 familiocratas disputam mandato de deputado federal e estadual, de suplente de senador, senador e vice-governador por diferentes partidos. São herdeiros do capital eleitoral de pais, avós, tios, irmãos, primos e conjugues. Esse grupo é formado por Janaína Riva, Carlos Rafael, Jayme Campos, Toco Palma, Renata Viana, Fábio Garcia, Leonardo de Oliveira, Vander Masson, Elias Galli, Otaviano Pivetta, Túlio Fontes, Emanuelzinho, Nininho, Cândida Farias, Kalil Baracat, Oscar Bezerra, José Lacerda, Rita Bezerra, Dilmar Dal’Bosco e Wener Klesley dos Santos.

Janaína Greyce Riva (MDB) é advogada nascida em Juara e na eleição de 2014 elegeu-se deputada estadual pelo PSD com 48.171 votos ficando em segundo lugar na votação ao cargo. Janaína tenta a reeleição.

Janaína é filha de José Riva, político que durante 20 anos foi o deputado estadual mais influente em Mato Grosso e que sempre se reelegia com a maior votação ao cargo. Durante muitos anos o pai de Janaína carregou a pecha de maior ficha suja do Brasil, título que perdeu para figurões que foram desmascarados pela Operação Lava Jato.

Carlos Rafael Demian Gomes de Carvalho, advogado e professor universitário cuiabano, é candidato a deputado estadual pelo PROS. Seu pai, Sebastião Carlos Gomes de Carvalho é candidato ao Senado pela Rede Sustentabilidade e foi vereador pelo antigo PMDB em Barra do Garças. Sebastião Carlos é escritor, presidente licenciado da Academia Mato-grossense de Letras e integra outras academias e institutos históricos; é conferencista, advogado e servidor público aposentado da Assembleia.

O empresário Vander Alberto Masson (PSDB), nascido em Nova Olímpia, é candidato a deputado federal. Vander é filho do deputado estadual e candidato à reeleição, Saturnino Masson (PSDB). Pelo PSDB Vander disputou a prefeitura de Tangará da Serra em 2016 ficando em terceiro lugar com 12.446 votos. Fábio Junqueira (MDB) venceu o pleito com 18.063 votos.

Manoel Antônio Garcia Palma, o Toco Palma (PHS) é candidato a deputado estadual. Toco Palma, cuiabano, advogado, é filho de Rodrigues Palma (PR), suplente de senador de Blairo Maggi (PP) e que exerceu mandatos de prefeito de Cuiabá, deputado estadual e deputado federal. Toco Palma foi candidato a vereador por Cuiabá em 2004 pelo PTB e cravou 1.806 votos ficando numa distante suplência.

Também da linhagem do ex-governador Garcia Neto, seu neto Fábio Garcia (DEM) é deputado federal em primeiro mandato e candidato a primeiro suplente de senador do correligionário Jayme Campos. Fábio Garcia é cuiabano e preside o Democratas em Mato Grosso e seu pai é o empresário Robério Garcia.

A candidata a segunda suplente de Jayme Campos é a pecuarista é barra-garcense Cândida dos Santos Farias (MDB), viúva do ex-governador Wilmar Peres de Farias. Cândida é mãe do prefeito cassado de Barra do Garças, Beto Farias, que recorre da sentença que o retirou da prefeitura.

Renata do Carmo Viana Malacrida é advogada sul-mato-grossense de Mundo Novo e secretaria o PDT de Mato Grosso, que é presidido por seu tio e deputado estadual Zeca Viana. Renata Viana é candidata a deputada federal em dobradinha pedetista com o tio Zeca Viana que busca o terceiro mandato consecutivo.

Leonardo Gonzales de Oliveira Ribeiro, advogado cuiabano é candidato a deputado estadual pelo PPS. Sobrinho de Dante de Oliveira, Leonardo é um dos herdeiros políticos do Homem das Diretas, juntamente com a viúva de Dante, Thelma de Oliveira (PSDB), prefeita de Chapada dos Guimarães.

Leonardo Oliveira disputou uma vaga à Câmara de Cuiabá em 2000, filiado ao PSDB e amargou suplência distante com 2.587 votos. Oito anos depois, pelo mesmo partido, novamente tentou o cargo, mas patinou na suplência com 2.351 votos. Finalmente, em 2012, elegeu-se vereador por sua cidade, pelo PTB, com 2.717 votos.

Emanuelzinho (PTB), 23 anos, cuiabano, estudante de Direito é Emanuel Pinheiro da Silva Primo, candidato a deputado federal. Emanuelzinho nunca disputou eleição e dedica-se exclusivamente ao seu curso.

Filho do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB), Emanuelzinho pertence a uma família de tradição política. Seu avô paterno, Emanuel Pinheiro, foi deputado estadual e deputado federal, mas sua carreira foi interrompida em 1974 com seu assassinato. O pai de Emanuelzinho é político e advogado; sua vida pública começou em 1988 – quando tinha a idade do herdeiro, agora – ao se eleger vereador por Cuiabá. Quatro anos depois foi reeleito. Em 1994 e 1998 foi deputado estadual reeleito. Entre um e outro mandato na Assembleia, tentou ser prefeito da capital em 2000, mas foi derrotado. Na eleição de 2006 buscou o terceiro mandato de deputado, mas não conseguiu. Em 2010 Emanuel foi novamente derrotado para deputado estadual, mas assumiu o cargo em 2013 com a vitória de Wallace Guimarães (MDB) para prefeito de Várzea Grande em outubro de 2012. Em 2014 Emanuel voltou a conquistar diploma de deputado estadual.

Elias do Nascimento Galli, cuiabano, 30 anos, casado, filho do deputado federal e presidente regional do PSL Victorio Galli, é candidato a deputado estadual pelo partido do pai.

Elias é o braço direito do pai e para atendê-lo costuma ocupar funções diferentes. É primeiro-secretário da Comissão Executiva Provisória do PSL em Mato Grosso. Foi assessor parlamentar do vereador por Cuiabá Oseas Machado, quando ele, o pai e Machado eram filiados ao PSC. Naquela função se meteu numa enrascada que deixou o Ministério Público de cabelos em pé: o suposto lançamento de mulheres candidatas laranjas à Câmara Municipal – esse caso deu em nada, como tradicionalmente acontece nos meios políticos. Também foi técnico instrumental do governo estadual enquanto analista de sistemas.

Wener Klesley dos Santos é candidato a deputado estadual pelo PP. Foi prefeito de Nova Marilândia (2013/16) pelo PSD. Tentou a reeleição e foi batido por Juvenal Alexandre da Silva (PSDB) que encabeçou a chapa com o vice Ademar Soave (DEM). Alexandre recebeu 1.217 votos (54.75%) e Wener 890 (40,04%).

Wener é irmão mais novo de Cidinho dos Santos e foi eleito prefeito em 2012 disputando pelo PR em candidatura única. Cravou 1.483 votos (68,03%), 59 votaram em branco (2,71%) e 638 (29,27%) anularam. Sua companheira de chapa foi Vilma Fernandes (PR).

Cidinho, o mano mais velho de Wener, por três vezes foi prefeito de Nova Marilândia, presidiu a associação dos prefeitos (AMM) e integrou o secretariado do governador Blairo Maggi (2003/10) em parte de seus dois mandatos. Em 2010 foi eleito primeiro suplente de senador de Blairo, ambos pelo PR – mesmo partido do segundo suplente Rodrigues Palma.

Cidinho não disputa mandato, mas coordena a campanha do democrata Mauro Mendes ao governo, ao passo que seu irmão compõe a coligação que trabalha para a eleição do senador Wellington Fagundes (PR) do governo.

A professora cuiabana do ensino médio Rita Francisca Gomes Bezerra Casseb é candidata a deputada estadual pelo PCdoB. Rita é prima do deputado federal e presidente regional do MDB, Carlos Bezerra, que governou Mato Grosso, foi senador e prefeito de Rondonópolis.

Nininho (PSD) é o nome parlamentar do deputado estadual e candidato à reeleição Ondanir Bortolini. Nininho é irmão do prefeito Betão Bortolini (PSD), de Itiquira, onde foi prefeito em três mandatos.

O cuiabano Oscar Martins Bezerra (PV), deputado estadual e candidato à reeleição é marido de Luciane Bezerra (PV), prefeita cassada de Juara e que recorre na tentativa de voltar ao cargo; Oscar também foi prefeito daquele município.

O advogado cacerense José Esteves de Lacerda Filho (MDB) é candidato a segundo suplente de senador na chapa de Carlos Fávaro (PSD). José Lacerda foi deputado estadual e secretário de Estado. É irmão de Márcio Lacerda, que exerceu mandatos de deputado estadual, deputado federal, senador e governador, e que presidiu a Funai.

O empresário cuiabano Jayme Veríssimo de Campos (DEM) é candidato ao Senado. Cumpriu três mandatos de prefeito em Várzea Grande, foi governador e senador. Jayme é marido da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), município que também foi administrado por seu pai, Júlio Domingos de Campos (seo Fiote) e por seu irmão Júlio Campos, que a exemplo dele, também foi senador e governador.

O empresário Otaviano Pivetta (PDT), nascido em Caiçara (RS) é candidato a vice-governador de Mauro Mendes (DEM). Foi prefeito de Lucas do Rio Verde em três mandatos e secretário de Estado, Pivetta também exerceu mandato de deputado estadual. É irmão do prefeito de Nova Mutum, Adriano Xavier Pivetta (PDT), que cumpre o quarto mandato.

Kalil Sarat Baracat de Arruda, pecuarista várzea-grande, ex-vereador (eleito em 2012 com 2.613 votos pelo PMDB) e ex-secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e Econômico, e de Turismo de Várzea Grande, de janeiro de 2017 até se desincompatibilizar para disputar mandato de deputado estadual pelo MDB.

Kalil Baracat é filho do ex-vice-prefeito de Várzea Grande e ex-deputado estadual Nico Baracat, e neto da ex-prefeita daquele município e ex-deputada estadual Professora Sarita Baracat.

O empresário catarinense Dilmar Dal’Bosco (DEM) é deputado estadual e candidato à reeleição. Dilmar cumpre o segundo mandato consecutivo. Antes dele, de 2003 a 2010, seu irmão Dilceu Dal’Bosco (PSDB e depois DEM) foi deputado estadual.

Em 2010 Dilceu disputou para vice-governador na chapa encabeçada pelo tucano Wilson Santos e perdeu a eleição. Wilson e Dilceu ficaram em terceiro lugar, com 245.527 votos e o pleito foi vencido em primeiro turno pelo governador Silval Barbosa (PMDB).

Em Sinop, a cidade dos Dal’Bosco, o empresário catarinense Ladimir, o Billy, é vereador eleito pelo PR com 1.292 votos. Billy, Dilmar e Dilceu são irmãos.

O advogado cacerense Túlio Aurélio de Campos Fontes é candidato a deputado estadual pelo PV. Túlio Fontes é filho do ex- prefeito de Cáceres, médico Antônio Fontes. Túlio foi prefeito de Cáceres (2005/08) e não conseguiu se reeleger. Desde 1998 disputa mandato de deputado, sempre amargando suplência.

Em tempo: Para efeito de familiocracia o conteúdo desconsiderou primos, concunhados e antigas dobradinhas familiares, que não se repetem nesse pleito de outubro.

O deputado estadual Romoaldo Aloísio Boraczynski Júnior (MDB) tenta a reeleição. No passado, Romoaldo participou da familiocracia, pois seu irmão Juliano Jorge foi vereador por Alta Floresta (1997/2000), suplente de deputado estadual e deputado estadual.

Romoaldo cumpre o quarto mandato de deputado estadual (eleito em 1990, 94, 98, 2010 e 2014), foi vereador por Alta Floresta e prefeito daquele município.