Conectado por

Saúde

Mamas caídas? O que pode ser feito?


Compartilhe:

Publicado por

em

O que é mamopexia?

A mamopexia, também conhecida como mastopexia ou elevação da mama, é um procedimento cirúrgico realizado por um cirurgião plástico para alterar a forma ou a posição dos seios e retorná-los ao mais próximo possível da forma e posição originais.

Por que as mamas caem?

À medida que a mulher envelhece, os seios mudam de forma e posição, perdendo elasticidade e firmeza. Mas existem muitas outras causas para esses tipos de alterações, incluindo gravidez, flutuações de peso corporal e ação da gravidade. Durante a gravidez e o aleitamento, os seios ficam mais cheios e pesados e os ligamentos que os sustentam podem sofrer um estiramento. Esse alongamento pode contribuir para a flacidez das mamas, independentemente de que a mulher amamente ou não o bebê. Também as alterações no seu peso podem causar estiramento e perda de elasticidade da pele. Ademais, com o tempo a gravidade faz com que os ligamentos das mamas se estiquem e cedam. O resultado: mamas caídas e fora de posição.

Como se realiza a mastopexia?

Inicialmente, a mulher deve procurar por um cirurgião plástico. Ele procurará saber sobre suas condições médicas atuais e passadas e em seguida examinará seus seios, incluindo a posição dos mamilos e aréolas e analisará a qualidade da pele da paciente, visto que uma pele saudável e vigorosa assegura uma melhor posição dos seios depois da cirurgia. A paciente deve dizer o que espera após o procedimento e ser informada de qual a viabilidade de que seus desejos sejam atendidos.

Antes da mamopexia, a paciente deve tomar algumas providências:

  1. Fazer uma mamografia para ajudar o médico no procedimento que executará;
  2. Parar de fumar, porque o fumo diminui o fluxo sanguíneo na pele e pode retardar o processo de cicatrização;
  3. Evitar certos medicamentos, como aspirina, anti-inflamatórios e suplementos de ervas, que podem aumentar o sangramento, por atuarem sobre o mecanismo de coagulação;
  4. Providenciar ajuda durante a recuperação. A paciente poderá precisar de alguém para ajudá-la nas atividades diárias, como lavar o cabelo e trocar de roupa, por exemplo;
  5. Manter constante um peso corporal saudável.

Há várias técnicas de mastopexia. A técnica específica escolhida pelo cirurgião determinará a localização das incisões e as cicatrizes resultantes. Ele pode fazer incisões em torno da aréola, estendendo-se para baixo até os sulcos mamários e/ou horizontalmente ao longo dos vincos mamários. Continuando, pode colocar pontos nos seios para remodelar o tecido mamário e, se necessário, reduzir o tamanho da aréola. Ele então removerá o excesso de pele das mamas e mudará os mamilos para posições mais altas. Em seguida, fechará as incisões. Esse procedimento normalmente leva de duas a três horas e a paciente pode deixar o hospital no mesmo dia.

Depois de uma mamopexia, os seios provavelmente serão cobertos com gaze e a paciente deve usar um sutiã de suporte cirúrgico. Pequenos drenos podem ser colocados nos locais de incisão para drenar o excesso de sangue ou líquido. Os seios ficarão inchados por cerca de duas semanas e provavelmente a paciente sentirá alguma dor ao redor das incisões, que ficarão vermelhas ou rosadas por alguns meses. A dormência nos mamilos, pele da mama e aréola pode durar cerca de seis semanas.

A paciente deve evitar esforço físico, flexão e elevação e dormir de costas, de modo a não fazer pressão sobre os seios. A atividade sexual deve ser evitada por pelo menos uma a duas semanas após a cirurgia. O médico deve orientar a paciente sobre quando os pontos serão removidos e quando é possível retomar integralmente às suas atividades diárias. O sutiã de suporte cirúrgico deverá ser usado durante três ou quatro dias e um sutiã de suporte macio por três ou quatro semanas. Enquanto esteja se recuperando, a paciente não deve expor seus seios ao sol. 

Por que fazer e por que não fazer mamopexia?

A mulher pode desejar fazer uma mamopexia se seus seios caírem ou seus mamilos se voltarem para baixo. A correção disso pode aumentar a autoestima e autoconfiança da paciente. Então, a mamopexia pode ser feita:

  1. Se os seios perderam forma e volume, ou ficaram mais planos e mais longos;
  2. Se os mamilos caírem abaixo dos seios;
  3. Se os mamilos e aréolas apontam para baixo;
  4. Se as aréolas se estenderam demais em proporção aos seios
  5. Se um dos seios caiu abaixo do outro.

Nem todas as mulheres, contudo, devem fazer mastopexia. Se a mulher está pensando em engravidar no futuro, a elevação da mama deve ser adiada, porque durante a gravidez, os seios podem se distender novamente e anular os resultados do levantamento. A amamentação também deve ser levada em consideração. Embora geralmente seja possível amamentar após a mamopexia, algumas mulheres podem ter dificuldade em produzir leite suficiente.

A mamopexia pode ser feita em seios de qualquer tamanho, porém as mulheres com seios caídos menores provavelmente terão resultados melhores e mais duradouros. Seios maiores são mais pesados, o que os torna mais propensos a caírem novamente.

Quais são os riscos de fazer uma mastopexia?

Raramente, a má cicatrização pode fazer com que as cicatrizes fiquem espessas e largas. Mesmo sendo permanentes, as cicatrizes suavizam e desaparecem dentro de um a dois anos. Enquanto durem, essas cicatrizes podem ser escondidas por sutiãs e roupas de banho. As alterações na sensação mamilar ou da mama retornam dentro de algumas semanas, embora alguma perda de sensações possa ser permanente. A sensibilidade erótica não é afetada na maioria dos procedimentos.

Pode ocorrer irregularidades ou assimetrias na forma e tamanho das mamas devido a alterações durante o processo de cura ou assimetria pré-existente. Raramente, o suprimento de sangue para o mamilo ou aréola é interrompido durante uma elevação do seio, mas a cirurgia pode danificar o tecido mamário na área e levar à perda parcial ou total do mamilo ou aréola.

Como qualquer cirurgia, o levantamento da mama apresenta risco de sangramento, infecção e reação adversa à anestesia. Também é possível ter uma reação alérgica à fita cirúrgica ou a outros materiais usados durante ou após o procedimento.