Conectado por

Acre

Mais dois suspeitos de matar mulher com mais de 50 facadas e jogá-la em lixão no Acre são presos


Compartilhe:

Publicado por

em

Mais duas pessoas foram presas pela Polícia Civil suspeitas de participação na morte da dona de casa Antônia Francisca Miranda Lima, de 29 anos, assassinada a facadas e depois jogada no lixão de Plácido de Castro, no interior do Acre.

Um deles seria o motorista que teria levado os assassinos e a vítima até o lixão onde ocorreu a execução. Ele foi preso durante cumprimento de mandado de prisão preventiva em Plácido de Castro, nessa sexta-feira (25). Ao todo, a polícia cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e um de prisão.

Antônia foi encontrada mortano dia 26 de maio no lixão da cidade após desaparecer. Conforme as informações da polícia, registradas no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) na época, a vítima foi vista entrando no lixão com dois homens e em seguida eles deixaram o local sozinhos.

Já neste sábado (26), a Polícia Civil cumpriu mais um mandado de prisão temporária contra uma mulher que teria filmado a execução de Antônia. A informação foi confirmada ao G1 pelo delegado responsável pelo caso, Danilo César.

Conforme a polícia, o inquérito sobre o caso foi concluído e quatro pessoas foram indiciados pelos crimes de homicídio qualificado, corrupção de menores e organização criminosa. Um menor supostamente envolvido deve responder por ato infracional análogo ao crime de homicídio qualificado.

Vingança

Ao G1, o delegado Dione dos Anjos, responsável pelo flagrante na época, disse que a equipe policial iniciou as investigações logo após o corpo ser encontrado. No dia seguinte ao crime, um homem de 19 anos foi preso e um adolescente de 16 apreendido suspeitos de participação no crime. Uma mulher também foi presa dias depois.

Ele disse ainda que pelo que foi apurado pela perícia, a vítima foi ferida com mais de 50 facadas. Os dois suspeitos flagranteados confessaram o crime e informaram que foi porque Antônia tinha falado sobre eles para a polícia, ou seja, a execução teria sido motivada por uma vingança.

No último dia 22, a Força Integrada de Combate ao Crime Organizado, composta pela Polícia Federal, Polícia Civil e Polícia Militar prendeu o homem que seria o mandante do crime bárbaro. Segundo a polícia informou, ele também é um dos chefes de uma facção criminosa que atua na região.

Conforme as investigações, a mulher foi levado ao local de execução e passou pelo “Tribunal do Crime”.

“Um vídeo foi gravado e nele a vítima confessou aos suspeitos que havia informado as ações do grupo criminoso a terceiros. Em razão disso, foi determinada a sua morte. O indivíduo preso na ação de hoje [terça, 22] foi apontado como o mandante do homicídio e ocupa posição de liderança na facção criminosa. O crime foi cometido com extrema violência, já que a vítima foi colocada de joelhos e esfaqueada por cerca de cinco minutos”, disse nota da PF.

Na época, a vítima chegou a postar uma despedida em suas redes sociais.

Em postagem nas redes sociais, vítima deu a entender que estava se despedindo  — Foto: Arquivo pessoal

Em postagem nas redes sociais, vítima deu a entender que estava se despedindo — Foto: Arquivo pessoal

Vítima estava há pouco tempo na cidade

A irmã da vítima, Maria Carina contou ao G1 na época do crime que Francisca havia se separado do companheiro há cerca de dois anos e que desde então mudou muito o comportamento e se distanciou de toda família. Ela chegou a ficar por duas semanas em Porto Velho e logo que voltou para Plácido de Castro no dia 25 de maio, desapareceu.

“Fiquei sabendo que ela tinha voltado pela filha dela que foi lá em casa brincar e contou. No dia que ela chegou foi o dia que capturaram ela. Como a cidade é pequena, muita gente está comentando e parece que ela foi pega no Centro, próximo à lotérica. Fiquei preocupada quando meu sobrinho perguntou se eu sabia onde ela estava, que estava sumida, porque de uma certa forma, a vida que ela estava vivendo, a gente já esperava uma notícia ruim. Pelos status que ela publicava dava para perceber que estava sendo ameaçada”, disse a irmã na época.

Foi então que Maria resolveu procurar a polícia para registrar o desaparecimento da irmã. A família ajudou nas buscas e o corpo de Antônia foi achado próximo a umas bananeiras no lixão da cidade com várias marcas de facadas. Ela deixou cinco filhos.

G1.globo.com

Publicidade

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento