Conectado por

Acre

Instituto revela que polícia do Acre só esclarece apenas 27% dos homicídios praticados no Estado


Compartilhe: Entre no nosso grupo do Whatsapp

Publicado por

em

Nos últimos quatro anos mais de 1600 pessoas foram mortas de forma violenta no Acre. De acordo com dados amplamente divulgados a maioria dos óbitos é ligado a guerra entre as facções Comando Vermelho contra o Bonde dos 13, em parceria com o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Os números assustam, mas o que chama mais atenção é que menos da metade desses crimes são esclarecidos pelas autoridades. Foi isso o que apontou a segunda edição do relatório Onde Mora a Impunidade?, divulgado nesta segunda-feira (5) pelo Instituto Sou da Paz.

A organização requisitou aos Ministérios Públicos e aos Tribunais de Justiça dos 27 unidades federativas do país informações sobre homicídios dolosos (com a intenção de matar) que geraram denúncias criminais no ano de registro ou no ano seguinte.

Apenas 12 forneceram dados que permitiram o cálculo do percentual de mortes violentas ocorridas em 2017 e esclarecidas até o final de 2017.

O Pará, na lanterna da lista, esclareceu 10,3% dos homicídios de 2016, seguido pelo Piauí (23,6%), Acre (27,5%) e Paraná (31%). De acordo com o relatório, índices de esclarecimento inferiores a 33% são considerados baixos.

São considerados índices médios de esclarecimento aqueles entre 33% e 66%. Nesta categoria estão o Amapá (35,7%), Espírito Santo (37,4%), Rondônia (41,6%), Mato Grosso (43,9%), São Paulo (50,8%) e Rio Grande do Sul (58,4%).

No topo da lista estão Mato Grosso do Sul (73,2%) e Santa Catarina (69,5%), os únicos estados com índices de esclarecimento de violência letal considerados altos.

“A falta de dados confirma que o acompanhamento do trabalho investigativo das polícias não tem sido realizado de forma consistente e transparente”, diz Stephanie Morin, responsável pelo estudo.

Segundo ela, a impunidade acaba reforçando ciclos de violência e abalando a confiança das pessoas nas leis.

Para se ter um parâmetro de comparação, em 2017, os Estados Unidos esclareceram 58% de seus homicídios, de acordo com dados do FBI (Bureau Federal de Investigações, na sigla em inglês).

Quando uma investigação policial traz evidências da autoria de um crime, ela é enviada ao Ministério Público. O promotor avalia se as provas de autoria são robustas o suficiente para uma denúncia, que é feita à Justiça. O juiz, com base nesta robustez, aceita ou recusa essa denúncia. Aquelas aceitas vão a julgamento, que pode ou não levar à condenação do réu.

Segundo Melina Risso, diretora de programas do Instituto Igarapé, o estudo do Sou da Paz revela médias de esclarecimento locais, algumas altas, mas a partir das quais não se pode aferir a qualidade dos processos.

“A gente não sabe se o Ministério Público está denunciando apenas para tirar o caso da frente, e gerar estatísticas de produtividade, ou se realmente há no esclarecimento elementos de autoria e materialidade. Isso porque não temos dados sobre a condenação dos suspeitos apontados pelas investigações”, explica.

Para ela, índices persistentes de esclarecimento que levem a condenações são capazes de reduzir a sensação de impunidade. “Ainda assim, se o julgamento demora muito, a gente vai levar muito mais tempo para ter algum impacto da não impunidade nas taxas de homicídio do país.”

Com informações da Folha de São Paulo

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 13 =

Publicidade
Casas De Apostas Online

ALE-RO

ÓTICA DINIZ



Desenvolvimento